domingo, 19 de setembro de 2010

Retirada de trilhos é suspensa pelo Dnit



10/9/2010
Estado de Minas (MG)

A retirada dos trilhos do Ramal Ferroviário de Águas Claras, que liga o Bairro Belvedere, na Região Centro-Sul, até o Barreiro, em Belo Horizonte, está suspensa pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit). A linha férrea começou a ser removida no fim do último mês, a pedido da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), para que o terreno fosse leiloado. A medida foi interrompida depois que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) encaminhou um ofício ao Dnit e à Casa Civil, informando que a remoção da estrutura causaria prejuízos ao projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que tem o objetivo de aproveitar a malha ferroviária para o transporte em massa de passageiros.

A suspensão foi anunciada na manhã de ontem pelo prefeito Marcio Lacerda (PSB), durante a inauguração da central de atendimento BH Resolve, que reúne 600 dos 800 serviços prestados à população pela administração municipal. De acordo com o prefeito, não se pode prescindir do uso desses trilhos para o VLT. "Não se pode retirar algo que, no futuro, possa ser usado novamente", disse. Um aproveitamento futuro da malha ferroviária da Região Metropolitana de Belo Horizonte para o transporte de passageiros, em uma parceria com o governo federal, foi discutido na tarde de ontem, na sede do Dnit, em Brasília.

De acordo com Lacerda, em outra reunião foram debatidas adaptações ao projeto do Anel Rodoviário. "Também pedimos áreas de escape para caminhões que tenham problemas de freio, na descida do Anel", acrescentou o prefeito, ressaltando a expectativa de que, até o fim do ano, a capital seja contemplada com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2 para a expansão do metrô.


CENTRAL

Com a inauguração da central de atendimento BH Resolve , a via sacra dos cidadãos da capital que perdem tempo em longas filas de repartições da prefeitura para obter informações ou resolver alguma pendência pode estar com os dias contados. Desde ontem, mais de 80% das demandas junto à PBH podem ser resolvidas na BH Resolve, que fica na Avenida Santos Dumont, 363, com entrada também pela Rua dosCaetés, 342, no Centro. Em três andares, 430 funcionários atenderão uma média de 5 mil pessoas por dia. Segundo Lacerda, a integração de serviços em um só local facilitará a vida dos belo-horizontinos. "O atendimento presencial é um avanço no processo de desburocratização no atendimento", frisou.

O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Informação, Helvécio Miranda Magalhães Júnior, disse que serviços ligados a finanças, regulação urbana, alvarás, manutenção, Procon e BHTrans devem corresponder a 60% dos atendimentos na BH Resolve. "Firmamos várias parcerias e, em breve, será possível tirar carteira de trabalho e até título de eleitor nesta unidade".

Para o advogado Clésio da Silva, de 31, o espaço é confortável, bem sinalizado e de fácil acesso. "Haverá economia de tempo. Certamente o atendimento ficará menos burocrático", comenta.

sábado, 18 de setembro de 2010

Metrô até o Aeroporto de Confins


2010-06-29 14:06

governador Aécio Neves e o embaixador espanhol Carlos Alonso Zaldivar

O governador Aécio Neves assinou na quarta-feira, 20, no Palácio da Liberdade, contrato com o Governo da Espanha para o estudo preliminar de um ramal ferroviário que ligará o metrô ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Esta extensão partirá da estação Vilarinho (que está localizada na região norte de BH) e terá 30 km.
Na oportunidade mais dois importantes projetos – que fomentarão ainda mais o aeroporto – foram lançados. São eles: o estudo de viabilidade da plataforma logística multimodal de transportes e o programa para implantação do centro de capacitação aeroespacial de Minas Gerais.
A Infraero se fez presente pelos executivos, Mario Jorge Fernandes de Oliveira, Silvério Gonçalves e Socorro Pinheiro, superintendentes da Regional Sudeste, aeroportos Tancredo Neves e Pampulha, respectivamente.

Fonte: Site Infraero.
 Belo Horizonte avalia implantar monotrilho

A construção de ramal ligando  Venda Nova a Confins  está sendo analisada

Nem prolongamento do metrô, nem Veículo Leve sobre Trilho (VLT). A estação Vilarinho, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte, deverá ser ligada ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana, por uma linha de monotrilho. Meio de transporte ferroviário sobre trilhos suspensos por pilares, a aproximadamente 15 metros de altura, o monotrilho é muito comum nos Estados Unidos, Japão, China e alguns países europeus, como a Alemanha. Mas o ramal que terá de 22 a 30 quilômetros de extensão, passando pela Cidade Administrativa, no Bairro Serra Verde, poderá ser o único a funcionar no Brasil. O pioneiro, de seis quilômetros, foi criado em Poços de Caldas, no Sul de Minas, mas está desativado.

A construção do ramal está sendo analisada pelo consórcio espanhol Iberinsa-Spim, que assinou um convênio com o governador Aécio Neves (PSDB) em 20 de janeiro e vai investir 310 mil euros cerca de R$ 1 milhão no estudo de viabilidade social, econômica e ambiental do planejamento do Vetor Norte da capital, onde foi erguida a Cidade Administrativa, nova sede do governo. De acordo com o secretário de estado de Assuntos Internacionais, Luiz Antônio Athayde, tudo indica que o monotrilho seja a opção mais viável para o trecho, por causa do custo, bem menor do que o de metrô e VLT. Achamos que o metrô, de superfície ou subterrâneo, é uma opção muito cara. Portanto, faz mais sentido, e de fato começou a ser feito um estudo nessa linha, a criação do monotrilho.”

Previsto para ser concluído em nove meses, contados a partir da data em que o convênio foi assinado, o estudo dos espanhóis vai apontar qual o recurso financeiro necessário para a construção do trecho ferroviário, o traçado e onde ficarão as plataformas de embarque e desembarque, que serão no memo nível do trilho. De acordo com Paulo Tarso Resende, especialista em transporte e coordenador do Departamento de Infraestrutura e Logística da Fundação Dom Cabral, um quilômetro de monotrilho custa pouco mais de R$ 8 milhões, quatro vezes menos que o mesmo trecho de VLT, orçado em R$ 33 milhões. Já um quilômetro de metrô sai por R$ 99 milhões.

“O monotrilho nada mais é do que uma adaptação do VLT, porém, menos complexo, pois exige uma estrutura menor, semelhante ao antigo sistema de bondes, o que barateia seu custo. Ele tem uma cara futurista, com jeitão de trem bala, mas é apenas a evolução do antigo sistema de trens urbanos”, explicou o especialista. Ele ressalta que, por ser suspenso, os pilares podem ser colocados em rodovias e largas avenidas, com o trilho seguindo o mesmo traçado do sistema de transporte rodoviário, sem causar problemas ao trânsito. “Isso é um indicativo de que o ramal para Confins poderá passar pela MG-010, sem a necessidade de desapropriações, baixando ainda mais o custo.”

Resende afirma que o monotrilho tem a mesma capacidade do metrô para transportar passageiros: 250 pessoas por carro da composição. A velocidade média, no entanto, é de 45 quilômetros por hora, enquanto o metrô anda a 65 quilômetros por hora. “Os Estados Unidos usam muito o monorial, como em Las Vegas e Miami, assim como na Ásia e Europa. Está sendo uma escolha acertada criarem o ramal para atender essa parte da Região Metropolitana de Belo Horizonte”, disse Resende.

Enquanto o monotrilho não sai, sete linhas de ônibus criadas para atender as 20 mil pessoas – sendo 16 mil servidores – que passarão diariamente pela Cidade Administrativa começam a rodar da capital para a nova sede do governo no dia 18.


Fonte: Site da BH TRANS.

VLT vai ligar Belo Horizonte ao Aeroporto Confins


16/09/2010 - Hoje em Dia


Um ramal de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) vai ligar o Aeroporto de Confins a Belo Horizonte,
possivelmente chegando até a Estação de Metrô Vilarinho, em Venda Nova.

A linha será feita pela iniciativa privada em parceria com o Governo do Estado, e vai passar pelo Centro Administrativo no Bairro Serra Verde. A intenção é acelerar o desenvolvimento das cidades do Vetor Norte, principalmente Confins, Vespasiano e São José da Lapa, mas também dos bairros de Belo Horizonte nas regiões Norte e Venda Nova.

O projeto de viabilidade técnica está em fase final, e deve ser concluído em dezembro. Caso o próximo governador opte por aproveitar o estudo, o implementação das obras deverão ser concluídas antes de 2013, ou seja, devem estar pronta para a Copa das Confederações. As informações são do secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Luiz Antônio Athayde, que participou na manhã desta quinta-feira (16) do seminário Soluções para Cidades Rumo à Copa de 2014, realizado no Expominas.

“A vantagem deste modelo é que não dependeremos de recursos federais, mas apenas do Estado. O estudo de viabilidade foi um presente do Governo da Espanha para Minas Gerais, e está sendo realizado por empresas espanholas e brasileiras, lideradas pela espanhola Iberinsa, especializada em transportes”, afirmou Athayde.

O modelo seria multimodal – ou seja, interligado a outros tipos de transporte, como os ônibus, via estações parecidas a pequenas BHBus ou à própria estação Vilarinho – e os “carros”, de capacidade de carga maior que a dos ônibus, poderiam circular a baixa velocidade nos trechos urbanos e a velocidades mais altas nas áreas rurais.

Ainda segundo ele, não é possível determinar o valor das obras, já que as paradas e estações ainda não estão definidas, mas o custo de implantação deverá ser dividido com a iniciativa privada. “Ainda não sabemos se o modelo será de concessão total, parcial ou PPP. Mas isso tudo será detalhado no Estudo”, destacou o secretário.

A ligação via trilhos entre a cidade e o Aeroporto faz parte do plano diretor do Aeroporto. O projeto de expansão, outro desafio para antes da Copa do Mundo, já conta com uma estação integrada, que dará acesso ao saguão. O secretário também frisou, durante o seminário, que a licitação para a construção da segunda etapa do aeroporto deve ter prioridade total.

Isso porque, de acordo com estimativas da Anac, Confins receberia, até 2014, cerca de 8 milhões de passageiros por ano. Dados deste ano, no entanto, apontam que o aeroporto terá, em 2010, mais de 7,2 milhões de passageiros, um aumento de 34% em relação à estimativa inicial. Até 2014 a expectativa é que este movimento chegue a 10 milhões de passageiros por ano. “Se não começarmos agora a ampliação da ala 2 do Aeroporto, vamos passar vergonha na Copa. Teremos gente fazendo chek-in até nos jardins de Confins”, disse.

VLT é opção para outros trechos
Antes de ligar BH a Confins, o modelo de VLT também pode se tornar realidade em outras áreas da RMBH. A possibilidade mais concreta é que o modelo ligue a Estação Eldorado da linha 1 do metrô de Belo Horizonte, em Contagem, ao Centro de Betim. No primeiro semestre, o projeto de aproveitar trilhos do antigo trem suburbano para ampliar a Linha do metrô ganharam as manchetes, mas as verbas prometidas para as obras ainda não saíram.

Outra possibilidade de VLT seria a ligação via trem entre a Praça Diogo de Vasconcelos (Praça da Savassi) e o BH Shopping, no Belvedere. O modelo seria usado para melhorar o fluxo de veículos na região Centro-Sul da capital, aliviando o trânsito principalmente nas avenidas do Contorno, Cristóvão Colombo e Nossa Senhora do Carmo. O modelo seria ligado ao BRT, que já começou a ser implementado na capital.
O estudo de viabilidade técnica para decidir se a Savassi e o Shopping receberão linhas de BRT, VLT ou monorail (uma espécie de metrô sobre trilhos elevados), está sendo levantada pela BHTrans. O resultado do estudo, com o modelo mais viável econômica e ambientalmente, também será divulgado em outubro.