domingo, 28 de agosto de 2011

Em Goiânia, Eixo Anhanguera será um VLT até 2014

28/08/2011 - Jornal Opção

Nesta quinta-feira, 25, o governador Marconi Perillo, conheceu o sistema de transportes de Dublin (Irlanda), que possui veículos leves sobre trilhos, o VLT. Pela manhã, Marconi visitou terminais, o setor de manutenção e percorreu dois trechos das linhas em um dos veículos; aproveitou a viagem para ouvir explicações de técnicos e tirar dúvidas sobre o assunto.

O eixo Anhanguera, principal meio de transporte coletivo de Goiânia, se tornará, por decisão do governo, um VLT. Está sendo discutida qual será a modelagem utilizada na linha, utilizada por cerca de 300 mil pessoas diariamente.

O governador, antes de seguir para outro compromisso, na embaixada do Brasil na Irlanda, disse que gostou do sistema, mas que “falta ainda definir detalhes e fazer comparações com outros modelos”, ressaltou.

A implantação do VLT será executada por meio de Participação Público Privada e inicialmente entre os terminais Padre Pelágio e Novo Mundo; depois se estenderá até o Vila Pedroso e Multirão.

Parte da linha será subterrânea e outra na superfície. A expectativa é de que a obra comece em meados do primeiro semestre de 2012 e seja inaugurada já no início de 2014. De acordo com Marconi, os estudos para a viabilização das obras estão adiantados.
Conheça o VLT

Este tipo de transporte, normalmente, é alimentado por eletricidade, o que faz dele mais barato. Em Dublin, o VLT foi implantado ainda em 2001 com uma única linha. Atualmente, a cidade conta com três linhas que ajudam a melhorar o fluxo diário de passageiros, que transporta cerca de 80 mil pessoas. Em Dublin o serviço alcança 98% de satisfação dos usuários, segundo pesquisa realizada com os passageiros. Em 10 anos ocorreu apenas um acidente com vítima fatal.

O VLT, também chamado de ‘metrô leve’, circula a cada cinco minutos no horário de pico e chega a atingir 70 km/h. Mas a média é de 25 km/h, sendo que em Goiânia a média de velocidade não ultrapassa 15 km/h.

Mais Notícias de Goiás

Fonte: Jornal Opção

sábado, 27 de agosto de 2011


Projeto de Veículo Leve sobre Trilhos de MT vai à CEF
Publicado: sexta-feira, 26 de agosto de 2011
O VLT mato-grossense ainda não tem itinerário ou comprimento definidos.

Por Alex Ricciardi

São Paulo - O Estado do Mato Grosso conseguiu autorização do governo Federal para encaminhar o projeto de construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de sua capital, Cuiabá, para análise de financiamento à Caixa Econômica Federal (CEF). A ideia é que o VLT de Cuiabá fique pronto para a Copa de 2014.

No entanto, o tempo para se iniciar as obras do VLT poderá se estender. Antes de apresentar a iniciativa à Caixa Econômica Federal, o governo do Estado terá que fazer um processo de licitação que defina o montante que deverá ser refinanciado para complementar o valor total da obra. O VLT mato-grossense ainda não tem itinerário ou comprimento definidos.

Preocupado com a demora para a aprovação da implantação do sistema no estado, Barbosa tem ido constantemente a Brasília em busca de apoio político para que se construa o VLT na capital local. Na semana passada o ministro do Esporte e a da Casa Civil, Orlando Silva e Gleisi Hoffmann, deram apoio para a construção do VLT mato-grossense.

O governador justificou o motivo deste tipo de transporte público ser o modal que o governo do estado deseja ver em Mato Grosso: "Queremos um modelo de transporte que permita o crescimento da capital e dê possibilidade de atender às demandas da população a longo prazo", afirmou ele. Barbosa também afirmou que o aeroporto local, Marechal Rondon, receberá em setembro o projeto de reformas de seu terminal para dar início ao processo de licitação das obras.

Fonte: DCI/SP
 


Projeto de Veículo Leve sobre Trilhos de MT vai à CEF
Publicado: sexta-feira, 26 de agosto de 2011
O VLT mato-grossense ainda não tem itinerário ou comprimento definidos.

Por Alex Ricciardi

São Paulo - O Estado do Mato Grosso conseguiu autorização do governo Federal para encaminhar o projeto de construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de sua capital, Cuiabá, para análise de financiamento à Caixa Econômica Federal (CEF). A ideia é que o VLT de Cuiabá fique pronto para a Copa de 2014.

No entanto, o tempo para se iniciar as obras do VLT poderá se estender. Antes de apresentar a iniciativa à Caixa Econômica Federal, o governo do Estado terá que fazer um processo de licitação que defina o montante que deverá ser refinanciado para complementar o valor total da obra. O VLT mato-grossense ainda não tem itinerário ou comprimento definidos.

Preocupado com a demora para a aprovação da implantação do sistema no estado, Barbosa tem ido constantemente a Brasília em busca de apoio político para que se construa o VLT na capital local. Na semana passada o ministro do Esporte e a da Casa Civil, Orlando Silva e Gleisi Hoffmann, deram apoio para a construção do VLT mato-grossense.

O governador justificou o motivo deste tipo de transporte público ser o modal que o governo do estado deseja ver em Mato Grosso: "Queremos um modelo de transporte que permita o crescimento da capital e dê possibilidade de atender às demandas da população a longo prazo", afirmou ele. Barbosa também afirmou que o aeroporto local, Marechal Rondon, receberá em setembro o projeto de reformas de seu terminal para dar início ao processo de licitação das obras.

Fonte: DCI/SP
 

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Mato Grosso deve ter financiamento da CEF para VLT

26/08/2011 - DCI

O Estado do Mato Grosso conseguiu autorização do governo Federal para encaminhar o projeto de construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de sua capital, Cuiabá, para análise de financiamento à Caixa Econômica Federal (CEF). A ideia é que o VLT de Cuiabá fique pronto para a Copa de 2014.

No entanto, o tempo para se iniciar as obras do VLT poderá se estender. Antes de apresentar a iniciativa à Caixa Econômica Federal, o governo do Estado terá que fazer um processo de licitação que defina o montante que deverá ser refinanciado para complementar o valor total da obra. O VLT mato-grossense ainda não tem itinerário ou comprimento definidos.

Preocupado com a demora para a aprovação da implantação do sistema no estado, Barbosa tem ido constantemente a Brasília em busca de apoio político para que se construa o VLT na capital local. Na semana passada o ministro do Esporte e a da Casa Civil, Orlando Silva e Gleisi Hoffmann, deram apoio para a construção do VLT mato-grossense.

O governador justificou o motivo deste tipo de transporte público ser o modal que o governo do estado deseja ver em Mato Grosso: "Queremos um modelo de transporte que permita o crescimento da capital e dê possibilidade de atender às demandas da população a longo prazo", afirmou ele. Barbosa também afirmou que o aeroporto local, Marechal Rondon, receberá em setembro o projeto de reformas de seu terminal para dar início ao processo de licitação das obras.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Governo de Cuiabá a um passo de concretizar VLT

20/11/2011 - Diário de Cuiabá

A presidente Dilma Roussef (PT) teria sinalizado ao governador Silval Barbosa sobre a possibilidade de adotar o VLT

Por Humberto Frederico

O governo Silval Barbosa vem recebendo sinais de que o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pode ser aceito como o modal de transporte a ser implantado em Cuiabá e Várzea Grande para a Copa do Mundo de 2014. O anúncio oficial só acontecerá na próxima semana, porém uma ligação telefônica entre o governador e a presidente da República, Dilma Rousseff (PT) deixou o Palácio Paiaguás convicto de que fez a escolha certa do modal.

Outro sinal partiu do deputado federal Wellington Fagundes (PR), que se reuniu com os ministros dos Esportes e da Casa Civil, Orlando Silva e Gleisi Hoffman, e recebeu o aval do ministro dos Esportes para a instalação do VLT. Antes, o Estado havia optado pelo Bus Rapid Transit (BRT).

“O Orlando Silva me repassou que o Ministério dos Esportes já tem um conhecimento técnico de que o VLT é o modal mais apropriado para Cuiabá. Agora a ministra Gleisi Hoffmann vai se reunir com a presidente Dilma para anunciarem a decisão na próxima semana”, declarou o parlamentar.

O anúncio poderia ser feito nessa semana, mas por conta da agenda do chefe do Executivo fora da capital, em Cáceres ontem e em Rondonópolis hoje, a decisão deverá ser anunciada após a reunião do governador com a presidente, marcada inicialmente para a próxima segunda-feira. Apesar do telefonema da petista, Silval não quer anunciar antes de o governo federal fazer o anúncio oficial.

Com o aval da presidente, o governo do Estado não vai precisar aumentar a capacidade de endividamento para construir o VLT. Ao menos uma parte do custo do modal de transporte deverá ser financiada pela União.

Na semana passada, tentando convencer o governo federal a optar pelo VLT, Silval peregrinou pelos ministérios dos Transportes, Cidades e Casa Civil. Quando criada a Agência Executora das Obras da Copa do Mundo (Agecopa) pelo então governador Blairo Maggi (PR), o BRT foi o escolhido pelos governos do Estado e Federal como modal de transporte ideal para Cuiabá.

O governador esteve também na Secretaria do Tesouro Nacional (STN) pedindo a validação da capacidade de endividamento do Estado, que é de R$ 2,5 bilhões. Com isso o governo poderá fazer empréstimo e completar a diferença entre o projeto do BRT para o VLT. Enquanto o BRT foi orçado em cerca de R$ 500 milhões, o valor estimado para o VLT é de R$ 1,1 bilhão.

O argumento principal para a implantação do VLT é o de ser mais moderno e que ficará como legado para os cuiabanos. O veículo é mais rápido e tem capacidade parra transportar um maior número de pessoas por hora do que o BRT, que é uma espécie de corredor para ônibus.

Segundo fontes, Dilma já teria informado ao peemedebista, por telefone, sobre sua decisão.

Fonte: Diário de Cuiabá

domingo, 21 de agosto de 2011

Governo de Cuiabá a um passo de concretizar VLT
Publicado: sábado, 20 de agosto de 2011
A presidente Dilma Roussef (PT) teria sinalizado ao governador Silval Barbosa sobre a possibilidade de adotar o VLT


Por Humberto Frederico

O governo Silval Barbosa vem recebendo sinais de que o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pode ser aceito como o modal de transporte a ser implantado em Cuiabá e Várzea Grande para a Copa do Mundo de 2014. O anúncio oficial só acontecerá na próxima semana, porém uma ligação telefônica entre o governador e a presidente da República, Dilma Rousseff (PT) deixou o Palácio Paiaguás convicto de que fez a escolha certa do modal.

Outro sinal partiu do deputado federal Wellington Fagundes (PR), que se reuniu com os ministros dos Esportes e da Casa Civil, Orlando Silva e Gleisi Hoffman, e recebeu o aval do ministro dos Esportes para a instalação do VLT. Antes, o Estado havia optado pelo Bus Rapid Transit (BRT).

“O Orlando Silva me repassou que o Ministério dos Esportes já tem um conhecimento técnico de que o VLT é o modal mais apropriado para Cuiabá. Agora a ministra Gleisi Hoffmann vai se reunir com a presidente Dilma para anunciarem a decisão na próxima semana”, declarou o parlamentar.

O anúncio poderia ser feito nessa semana, mas por conta da agenda do chefe do Executivo fora da capital, em Cáceres ontem e em Rondonópolis hoje, a decisão deverá ser anunciada após a reunião do governador com a presidente, marcada inicialmente para a próxima segunda-feira. Apesar do telefonema da petista, Silval não quer anunciar antes de o governo federal fazer o anúncio oficial.

Com o aval da presidente, o governo do Estado não vai precisar aumentar a capacidade de endividamento para construir o VLT. Ao menos uma parte do custo do modal de transporte deverá ser financiada pela União.

Na semana passada, tentando convencer o governo federal a optar pelo VLT, Silval peregrinou pelos ministérios dos Transportes, Cidades e Casa Civil. Quando criada a Agência Executora das Obras da Copa do Mundo (Agecopa) pelo então governador Blairo Maggi (PR), o BRT foi o escolhido pelos governos do Estado e Federal como modal de transporte ideal para Cuiabá.

O governador esteve também na Secretaria do Tesouro Nacional (STN) pedindo a validação da capacidade de endividamento do Estado, que é de R$ 2,5 bilhões. Com isso o governo poderá fazer empréstimo e completar a diferença entre o projeto do BRT para o VLT. Enquanto o BRT foi orçado em cerca de R$ 500 milhões, o valor estimado para o VLT é de R$ 1,1 bilhão.

O argumento principal para a implantação do VLT é o de ser mais moderno e que ficará como legado para os cuiabanos. O veículo é mais rápido e tem capacidade parra transportar um maior número de pessoas por hora do que o BRT, que é uma espécie de corredor para ônibus.

Segundo fontes, Dilma já teria informado ao peemedebista, por telefone, sobre sua decisão.

Fonte: Diário de Cuiabá
 

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Comissão promete interceder para ter VLT em Cuiabá

16/08/2011 - Diário de Cuiabá

A Comissão de Turismo e Desporto (CTD) da Câmara dos Deputados vai pedir ao ministro dos Esportes, Orlando Silva, a mudança da matriz de responsabilidade de Cuiabá para que Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) seja implantado na cidade em detrimento ao Bus Rapid Transit (BRT), como está no projeto inicial.

“O governador nos explicou que a sociedade cuiabana vem clamando para que o VLT seja o modal de transporte escolhido aqui. Nesta semana teremos uma reunião com o ministro dos Esportes, e levaremos a ele esta reivindicação”, declarou o presidente da Comissão, Jonas Donizette (PSB-SP).

Ele ressaltou que na conversa com o governador Silval, o peemedebista explicou que o Estado pretende aderir o VLT, mesmo sem a entrada do modal na matriz de responsabilidade, mas sabe que com a garantia de investimento do Governo Federal, facilitaria a viabilidade do projeto.

Explicando sobre a avaliação da Comissão a respeito das obras da Copa do Mundo na capital mato-grossense, ele ressaltou que as maiores preocupações verificadas se referem à malha viária da cidade e o aeroporto.

“Estas duas questões dependem mais do governo federal, portanto acho que o governador Silval Barbosa, junto com o presidente da Agecopa (Agência Executora das Obras da Copa do Mundo), Eder Moraes, tem feito um bom trabalho no que se refere à execução das obras da Copa do Mundo, disse Jonas.

O deputado federal Romário, que também é membro da Comissão, elogiou a Arena Pantanal. Segundo ele, das cidades-sede que o grupo tem visitado, o estádio de Cuiabá será um dos mais modernos e é um dos mais adiantados em relação às obras. Mas, como já havia feito pela manhã, ele voltou a fazer duras críticas ao aeroporto Marechal Rondon.

“Eu considero como ótimo o estágio em que estão acontecendo as obras do estádio aqui de Cuiabá. Dentro de tudo o que vimos, é um dos mais adiantados e será um dos melhores do país. Mas, volto a ressaltar que o aeroporto deve ser muito melhorado, pois o setor de desembarque ainda deixa a desejar”, disse o ex-jogador da seleção brasileira”.

Para melhorar o setor de desembarque, na semana passada a Infraero iniciou a instalação do módulo operacional do aeroporto. A primeira parte da obra compreende a preparação da área para receber os pilares e vigas que vão abrigar a estrutura de 675 metros quadrados.

Com esta melhoria, o governo do Estado espera ampliar a capacidade do aeroporto em 700 mil passageiros por ano.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Decisão sobre implantação do VLT no Estado está nas mãos de Dilma

12/08/2011 - A Gazeta
 
O governador Silval Barbosa (PMDB) demonstrou otimismo em relação aos três dias em que esteve em Brasília nesta semana para tratar de assuntos de interesse de Mato Grosso em relação ao desenvolvimento econômico, as políticas agrícola e tributária, além das questões envolvendo as obras da Copa do Mundo de Futebol de 2014.

"Ainda não temos uma solução, mas ela está próxima de acontecer", disse Silval Barbosa, que se dedica para que o governo federal encampe a sua proposta de adotar o Veículo Leve sobre Trilho (VLT) como sistema de transporte coletivo para a Grande Cuiabá. A decisão do sistema de transporte acontecerá na próxima semana e será uma decisão da presidente Dilma Rousseff, segundo teria informado a ministra da Casa Civil, Gleise Hoffmann, após audiências com o governador de Mato Grosso.

Ele considerou como essencial a sinalização da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para que Mato Grosso possa captar empréstimos para executar as obras do VLT e também a demonstração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de se colocar como agente financeiro na captação de recursos estimados na ordem de R$ 1,1 bilhão.

O Estado pretende construir o VLT, e posteriormente entregá-lo a iniciativa privada que gerenciaria o mesmo, sendo que os recursos da outorga de exploração seriam destinados em parte para pagar os empréstimos e na outra parte para subsidiar os valores das passagens, mantendo os mesmos nos patamares hoje aplicados. "Viabilidade nós temos e o grande legado que nossa administração pretende deixar em relação à Copa do Mundo são as obras de mobilidade urbana e um sistema de transporte coletivo de primeiro mundo", disse o governador Silval Barbosa.

Além do aval da STN e do BNDES, o governador espera que com a decisão da presidente da República, os recursos já alocados e previstos para as obras do BRT, em torno de R$ 500 milhões captados na Caixa Econômica Federal (CEF), sejam transferidos para o VLT para que os projetos executivos e as obras se iniciem ainda em 2011 e no princípio de 2014, ano da Copa do Mundo, já estejam funcionando. "O momento de decisão é agora. A presidente Dilma tem se mostrado uma pessoa interessada em ajudar o Brasil e principalmente Mato Grosso, por isso acredito que nossos pleitos serão acatados e o governo federal será parceiro de nosso Estado", disse.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Técnico afirma que a implantação do VLT terá custo menor que BRT

10/08/2011 - O Documento

O mais importante é que, o VLT utiliza energia limpa, não emite CO e não tem ruído ou qualquer outro tipo de barulho

A implantação de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) tende a ficar num preço abaixo que o do Bus Rapid Transit (BRT). A projeção partiu do consultor Rowles Magalhães da Silva, técnico de um fundo de investimentos, durante explanação na tribuna livre da sessão ordinária desta terça-feira (09/08), no plenário da Câmara de Cuiabá.

“Com certeza o valor para a implantação do Bus Rapid Transit (BRT) será três vezes maior que a do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), um exemplo dos gastos, será a questão das desapropriações, a empresa que for contratada para demolir tudo será de alto custo, como também o valor a ser pago a todos esses moradores e comerciantes da região central”, afirma Rowles Magalhães Silva, assegurando que os benefícios do VLT, para a Capital, são maiores.

Favorável à implantação VLT, o vereador Pastor Washington Barbosa (PRB), questionou o técnico sobre o impacto custo-benefício do modal para os bairros onde o veículo possivelmente irá passar. Como também, quais os prejuízos existentes ainda com a indefinição do meio de transporte, e em relação ao aumento no valor das passagens.

Em resposta, o técnico garantiu que a indefinição pode sim atrapalhar as obras da Copa de Mundo de 2014. Segundo ele, a implantação deve começar ainda no mês de janeiro do próximo ano para que haja o termino do período de dois anos. E afirmou que não haverá alteração no valor das passagens se for confirmado VLT, tendo em vista que, a tarifa é determinada pelos órgãos públicos.

Sobre os custos-benefício, Rowles Magalhães apontou que os imóveis de moradores e comerciantes em torno ao VLT serão totalmente valorizados, estimando que o veículo leve sobre trilhos vá trazer maior conforto e qualidade de vida aos usuários. “O VLT será rápido, podendo transportar um maior número de usuários, em um curto periodo de tempo, desta forma trazendo qualidade de vida e conforto.”

No esclarecimento, Rowles Magalhães afirmou que quer o melhor para Cuiabá. “Estamos tentando trazer para a Capital modernidade, desenvolvimento, um exemplo disso, é que muitos países estão trocando o BRT para o VLT, como em Portugal, Espanha, entre outros. O mais importante é que, o VLT utiliza energia limpa, não emite CO² e não tem ruído ou qualquer outro tipo de barulho”, argumenta ele.

Movimento pede implantação do VLT e recusa o BRT

10/08/2011 - 24 Horas News

Manifestantes lembram que o VLT (metrô de superfície) trará um legado moderno para Cuiabá e diminuirá em até 80% o número de desapropriações, principalmente na Prainha.

Por Jonas Jozino e Valdemir Roberto

O barulho foi grande, a movimentação intensa, mas o apoio da população não foi o esperado em prol da implantação do VLT – Veículo Leve sobre Trilhos, como modal de transporte para Cuiabá, uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. O movimento dos comerciantes do centro da Cidade e que contam com o apoio do deputado José Geraldo Riva, presidente da Assembleia Legislativa, e maior incentivador do VLT no lugar do Bus Rapid Transit (BRT) espera colocar nas ruas da cidade pelo menos 8 mil pessoas. A movimentação, apesar de intensa não contou com mais de 500 pessoas, que se concentraram a “moda antiga” como carroças puxadas por burros, bicicletas dos anos 50 e caminhadas à pé.

O protesto contra o BRT e a favor do VLT teve início às 7h30, na Avenida 13 de Junho. Com muitos fogos, carros de som, trio elétrico e muito discurso, a passeata que teve início com aproximadamente 300 pessoas e foi  ganhando adeptos no decorrer da caminhada chegou a contabilizar cerca de 500 pessoas nas proximidades do Morro da Luz, na Prainha. O  trânsito ficou caótico, intransitável, uma vez que o movimento atingiu toda a parte da pista centro CPA da Prainha, impedindo a passagem de veículos.
 
Apesar da pouca adesão, o  diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL) João Bosco Linhares aprovou o movimento. “Foi o que queríamos. Mostrar a nossas autoridades que não queremos ônibus, queremos modernidade e o VLT é um metro para Cuiabá”, disse, enquanto pessoas portavam faixas e cartazes salientando que o BRT tem tempo estimado de percurso de 50 minutos, enquanto que o VLT fará o percurso total em tempo máximo de 25 minutos, transportando muito mais pessoas e com conforto.
 
Manifestantes lembram que o VLT (metrô de superfície) trará um legado moderno para Cuiabá e diminuirá em até 80% o número de desapropriações, principalmente na Prainha. 
 
O custo do BRT é questionado pela diretora da Associação de Empresários e Locatários da Prainha (AELP), Iara Nunes, que acredita que os R$ 450 milhões previstos, não serão suficientes para a implantação. “No orçamento não estão inclusos a compra dos ônibus por exemplo, o que sugere que o valor será muito maior do que o anunciado pelo governo”. Para ela, o VLT valoriza em mais de 50% a região em que está instalado, compravados em países que utilizam o transporte, além de proporcionar mais qualidade de vida para a população. Se o governo optar pelo BRT, desembolsará aproximadamente 1,1 bilhão apenas em desapropriações.
 
Participam da manisfestação pelo VLT, várias entidades, entre elas a União Mato-grossense dos Estudantes (UMTE), Força Sindical e seus 105 sindicatos filiados,Coopermotos, Sindicato dos Mototaxistas, Motoboys e Motofretes, União Cuiabana de Associações de Moradores de Bairros (UCAMB), Associação do Calçadão, dentre outras. A passeata terá o apoio da SMTU e da Polícia Militar.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Comerciantes de Cuiabá pedem VLT para a Copa

08/08/2011 - Portal 2014

Associações de empresários e moradores realizam passeata de protesto nesta terça-feira

Panfleto distribuído por comerciantes pede que governo escolha o VLT (crédito: CDL Cuiabá/Divulgação)

Comerciantes e associações de moradores de Cuiabá realizam amanhã (terça-feira, 9) manifestação em defesa da adoção do sistema de Veiculo Leve sobre Trilhos (VLT) nos projetos de mobilidade urbana para a cidade. As quase 150 entidades que organizam o protesto temem as desapropriações necessárias para a construção das linhas de BRTs, cujo valor é estimado em mais de R$ 1 bilhão, segundo o diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Cuiabá) João Bosco Linhares. 

O empresário lembra que o valor das desapropriações não está incluindo no orçamento de R$ 450 milhões do BRT. "Além dos valores dos imóveis, temos que considerar o custo das demissões de milhares de empregados do comércio, que ficarão sem empregos", adverte Linhares.

As associações argumentam que o projeto do VLT proporcionará 80% menos desapropriações, além de liberar áreas para a construção de ciclovia e área verde. Os manifestantes esperam sensibilizar o governo federal a incluir o projeto do VLT na Matriz de Responsabilidade da Copa de 2014 e permitir que a obra seja financiada com recursos da Caixa Econômica Federal.