quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Governador do Mato Grosso assina contrato de transporte

29/09/2011 - Diário de Cuiabá

A matriz de responsabilidade é um documento assinado pelas 12 cidades-sedes da Copa do Mundo, com o compromisso de obras e serviços que cada uma tem que fazer para a realização do Mundial na cidade

O governador Silval Barbosa (PMDB) assinou ontem a nova matriz de responsabilidade das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, alterando o sistema de transporte a ser implantado em Cuiabá e Várzea. Oficialmente agora o governo de Mato Grosso tem o compromisso de implantar o VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) e não mais o BRT (Bus Rapid Transit).

A alteração foi feita ontem, em Brasília, no Ministério dos Esportes, junto com o presidente da Agência Estadual de Execução dos Projetos da Copa (Agecopa), Eder Moraes. A mudança dependia do ministro dos Esportes, Orlando Silva, presidente do Gecopa (Grupo Executivo da Copa) do governo federal.

Hoje Silval continua em Brasília para, com a alteração da matriz, ir à Caixa Econômica Federal quebrar o contrato de financiamento para do BRT e fazer o novo contrato, com valor maior, para as obras do VLT. A obra do primeiro modal escolhido foi prevista em quase R$ 500 milhões, já para o VLT o Estado precisa de R$ 1 bilhão.

Conforme o governador, depois da conclusão dessa etapa burocrática, rapidamente ele quer colocar na praça o processo de licitação para o início das obras. “Resolvido o problema da matriz, vou agora na Caixa cancelar o BRT e passar para o VLT. Já mandei preparar o edital para fazer o processo de licitação”, disse Silval.

A matriz de responsabilidade é um documento assinado pelas 12 cidades-sedes da Copa do Mundo, com o compromisso de obras e serviços que cada uma tem que fazer para a realização do Mundial na cidade. O documento foi assinado ainda no governo do hoje senador Blairo Maggi (PR), e para o sistema de transporte da capital e Várzea Grande, estava previsto o BRT, uma espécie de corredor exclusivo para ônibus.

Embora a mudança de BRT para VLT tenha sido anunciada em junho pela Agecopa, o Estado enfrentou dificuldades junto ao governo federal para fazer a alteração. A mudança na matriz de responsabilidade era indispensável para conseguir o financiamento junto à Caixa Econômica Federal e também porque o processo de licitação irá se encaixar no Regime Diferenciado de Contratação (RDC) das obras da Copa e Olimpíadas, uma espécie de “flexibilização” das licitações aprovada pelo Congresso Nacional para o processo andar mais rápido.

Uma verdadeira via crucis foi feita pelo governador e sua equipe em Brasília no mês passado pleiteando essa mudança. Na semana passada ele já havia conseguido o acordo com a Caixa, que será a única instituição financeira a fazer o empréstimo para o governo.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Empréstimo de R$ 740 mi para VLT do MT

23/09/2011 - Diário de Cuiabá

O governo do Estado encaminhou ontem à Assembleia Legislativa, além do projeto de criação da Secretaria da Copa do Mundo (Secopa), outras duas mensagens importantes para a realização do Mundial em Cuiabá. A mensagem 67 autoriza o governo do Estado a realizar empréstimo junto a Caixa Econômica Federal na ordem de R$ 740 milhões para construção do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). E a mensagem 68 autoriza o governo do Estado a fazer parcerias público-privadas, as chamadas PPPs.

A Caixa Econômica Federal será a única instituição financeira a fazer o empréstimo ao governo para construção do VLT. O acordo foi firmado na semana passada, em Brasília, pelo governador Silval Barbosa (PMDB) e o presidente da Agecopa, Eder Moraes.

O líder do governo da Assembleia, Romoaldo Júnior (PMDB) disse que o valor de R$ 740 milhões é montante total que será empregado para a construção do VLT. O valor contrapõe a informação do presidente da Agecopa, que anunciou custo total de R$ 1,1 bilhão, mas com outras intervenções além da própria instalação do modal de transporte.

O governador já tem falado em adotar o modelo de PPP para a retomada da construção do hospital central, abandonado há mais de 25 anos. Embora exista lei federal permitindo esse tipo de contrato, cada Estado tem que regulamentar o modelo na legislação estadual. No caso de empréstimo, a Assembleia Legislativa também precisa autorizar o Executivo a fazer a operação.

Presidente da Assembleia, deputado José Riva (PP), disse que a matéria das parcerias público-privadas foi encaminhada pelo governo, mas o próprio legislativo já contribuiu muito para esse assunto e considera o modelo um avanço nas relações público e privada. Ele vislumbra que a construção do VLT pode ser feita por esse modelo, o que economizaria os cofres do Estado.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Projeto do VLT de Cuiabá fica pronto até dia 20

13/09/2011 - Diário de Cuiabá

O governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou ontem que o projeto do VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) está “praticamente pronto” e espera que até o dia 20 totalmente concluso para que seja lançado o edital de licitação para a obra que vai contemplar Cuiabá e Várzea Grande.

Depois da solenidade de assinatura de convênio entre governo do Estado e UFMT para a construção de um novo hospital universitário, Silval aproveitou a coletiva de imprensa para ressaltar que o VLT já está escolhido como novo modal de transporte a ser implantado para a Copa do Mundo e cessar com as especulações.

“Quero acabar com especulações, já está definido que será o VLT, já temos a autorização da presidência da República. Se eu quisesse o BRT, ele já estaria em obras, mas estou pensando no futuro, num meio de transporte mais moderno e que ficará como legado”, disse Silval Barbosa.

Conforme o governador, a Agecopa tem o projeto básico no VLT, mas que com ele já é possível fazer a licitação porque irá se enquadrar no regime diferenciado de contratação para a Copa (RDC). Para a licitação, o governo precisaria ter o projeto executivo, com previsão detalhada de gastos e informações da obra.

Por meio de uma Medida Provisória (MP), foi aprovado no Congresso um regime diferenciados para as licitações das obras da Copa do Mundo de 2104 e das Olimpíadas 2016. A medida “flexibiliza” as contratações.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Cuiabá vai mudar modal de transporte

12/09/2011 - Webtranspo

Cidade do MT anuncia troca do BRT pelo VLT

Obra deve ser finalizada em 2013

Desde que foi escolhida para ser uma das cidades-sede para a Copa de 2014, Cuiabá (MT) vinha trabalhando o BRT para ser o principal modal do transporte. Entretanto, recentemente, o Governo Federal oficializou a troca dos ônibus pelo VLT (Veículo Leve sobre Trilhos).

Mesmo demonstrando procupação com os prazos, o ministro dos Esportes, Orlando Silva, ressaltou o legado que as obras deixarão na cidade. “Estamos confiantes de que é preciso andar mais rápido e deixarmos essas conquistas para as cidades”, disse.

O projeto básico para a implantação deve ficar pronto no final deste mês e o governo do Estado trabalha para entregar a obra até dezembro de 2013.

Desde que assumiu a presidência da Agecopa (Agência de Execução dos Projetos da Copa do Pantanal), Éder Moraes batalha para implantar o VLT na capital, que tinha como projeto inicial o BRT. "È um modal mais moderno, que projeta Cuiabá pelos próximos 30 dias.

ENVIAR
JComments

domingo, 11 de setembro de 2011

Sistema VLT é uma vitória para o sistema de transporte coletivo de Cuiabá

11/09/2011 - Diário de Cuiabá

Cuiabá tem que criar um sistema eficiente de transporte coletivo não somente para a Copa do Pantanal de 2014 que é evento manga curta, mas para assegurar condição digna ao cuiabano para sua locomoção. Por isso, a chancela do governo federal para a construção de linhas para Veículo Leve sobre Trilho (VLT) no aglomerado urbano tem que ser recebida como importante conquista do povo mato-grossense.

Praticamente tudo que se faz ou se tenta fazer na esfera institucional em Cuiabá perde sua identidade em nome do projeto da Copa do Pantanal. A nova matriz do transporte intermunicipal metropolitano que até então era discutida entre defensores do VLT e do BRT (ônibus rápido em corredor expresso na sigla em inglês) ficava desfigurada como se o mundial da Fifa fosse a razão para a modernização do sistema que no futuro responderá pelo embarque e desembarque dos passageiros entre os pontos extremos de seu trajeto e em suas estações intermediárias.

O sistema VLT tem reconhecimento internacional e no mesmo plano é considerado bem mais eficiente, seguro, econômico e ambientalmente mais correto que o similar BRT. Daí, a opção do governador Silval Barbosa por esse veículo.

A ineficiência do transporte coletivo em Cuiabá e Várzea Grande e nas linhas intermunicipais exigem a imediata construção da linha do VLT. O estrangulamento do trânsito em ambas as cidades também impõe com urgência alternativa para desafogar as ruas. Que estes e outros argumentos inspirem o governo estadual a usar o máximo de sua criatividade e profissionalismo na solução do problema que ora afeta diariamente milhares de usuários dos ônibus coletivos.

Que dezembro de 2013, a data limite estabelecida para a entrada em funcionamento do VLT não seja ultrapassada e, que num cenário mais otimista seja antecipada, porque Cuiabá e Várzea Grande realmente precisam solucionar o problema da precariedade do transporte coletivo.

O sistema VLT será um dos legados da Copa do Pantanal a Cuiabá e Várzea Grande. Quando o árbitro apitar o final da última partida que será disputada na arena Pantanal – ora em construção – a vida voltará ao seu ritmo normal e a conurbação unida pelo rio que empresta o nome à capital continuará com seu trabalho, suas demandas, gargalos, avanços e sonhos. É no cenário do pós-mundial que cuiabanos e várzea-grandenses efetivamente se encontrarão com a nova matriz de transporte urbano e passarão a contar com a mesma para o vaivém ora tão deficiente, inseguro e complicador do trânsito.

A escolha entre esse ou aquele sistema de transporte é página virada. Que a partir de agora o projeto Copa do Pantanal dedique suas atenções às obras de desbloqueio e da mobilidade urbana, porque as primeiras ainda permanecem no papel e as demais dependem da conclusão dessas para que sejam iniciadas. O VLT é uma das importantes conquistas cuiabanas e, sem dúvida, a maior em seu setor. Que ele seja o precursor de outras vitórias que o mundial proporcionará a Mato Grosso fora das quatro linhas do gramado do estádio.

O sistema VLT será um dos legados da Copa do Pantanal a Cuiabá e Várzea Grande.

Diário de Cuiabá

Mais Notícias de Mato Grosso

sábado, 10 de setembro de 2011

Governo garante que VLT do MT estará pronto em 2013

09/09/2011 - Abifer

O Governo de Mato Grosso declarou que o projeto básico do VLT vai ficar pronto no fim do mês e que trabalha para que a obra seja entregue até dezembro de 2013.

O Governo Federal oficializou a troca do modal de transporte de Cuiabá para a Copa de 2014. Desta forma, o Estado está apto a trabalhar para implantar o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), nas principais avenidas da cidade.

Além de Cuiabá, outra cidade-sede apta a mudar o modal de transporte é Salvador-BA.

Apesar de demonstrar procupação com os prazos, o ministro dos Esportes, Orlando Silva, ressaltou o legado que as obras deixarão na cidade. “Estamos confiantes de que é preciso andar mais rápido e deixarmos essas conquistas para as cidades”, disse.

O Governo de Mato Grosso declarou que o projeto básico do VLT vai ficar pronto no fim do mês e que trabalha para que a obra seja entregue até dezembro de 2013.

A confirmação da troca de modal representa uma "vitória" do presidente da Agecopa (Agência de Execução dos Projetos da Copa do Pantanal), Éder Moraes. Desde que assumiu a presidência do órgão, Éder batalha para implantar o VLT na capital, que tinha como projeto inicial o BRT. "È um modal mais moderno, que projeta Cuiabá pelos próximos 30 anos", destaca.

Nas últimas semanas, Éder travou discussões com o diretor de Infraestrutura da agência, Carlos Brito, que defendia o BRT, por ser um modal mais barato. O presidente da Agecopa, inclusive, reduziu os poderes de Brito e ficará responsável pela implantação do VLT na capital e em Várzea Grande.

Fonte: ABIFER
 
    Envie esta      Versão para impressão 

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Lohr avalia fábrica em Goiânia

06/09/2011 - Goiás Agora

O conselheiro para o mercado brasileiro Olivier Hauchart, da empresa francesa Lohr, esteve terça-feira (6/9) em Goiânia para conhecer o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). De manhã ele viu de perto o Eixo Anhanguera e no início da tarde, se reuniu com os secretários da Região Metropolitana de Goiânia, Jânio Darrot, e de Infraestrutura, Wilder Morais, e representantes do Setransp. O conselheiro apresentou em detalhes os veículos fabricados pela empresa Lohr.

A empresa Lohr é fabricante de vagões para trens e metrôs e tem interesse em instalar indústria em Goiás. Esse interesse dos franceses foi despertado após uma visita do governador Marconi Perillo a Paris no final de agosto. Depois de uma conversa entre o governador e os executivos franceses da Lohr, foi agendada essa reunião.

Olivier explica que já se tem muitos projetos sobre VLT em negociação na América Latina e o interesse de construir essa plataforma no Centro-Oeste é pela ótima localização. “Goiás tem uma localização muito central na América Latina e se tiver condições de participar e ganhar a licitação em Goiás de fato será um ponto muito positivo para nós”.

Oliveir explicou que a indústria francesa propõe montar em Goiás uma fábrica de veículos sobre pneus e trilhos para abastecer os projetos de metrô de Goiânia. O sistema de Lohr é um misto de trilhos e pneus, que tenta aproveitar a eficiência do direcionamento em trilhos em combinação com a estrutura de sustentação por pneus.

Olivier fala sobre as vantagens do VLT. “O VLT é um sistema estruturado com capacidade de transporte alta e que tem hoje um sistema elétrico que permite responder às necessidades de meio ambiente, de desenvolvimento sustentável. E que sem dúvida permitirá à cidade de Goiânia atender às necessidade da população”, explica Olivier. Ele ainda informa que a manutenção do veículo sobre pneus é mais fácil e barata.

O secretário Jânio Darrot diz que o VLT vai modernizar o transporte coletivo da capital. Ele explica que as empresas interessadas em implantar o veículo em Goiás estão apresentando seus projetos. Após a análise das propostas, em aproximadamente 60 dias, terá a fase de licitação e então as obras poderão começar a partir do ano que vem. “Aí teremos mais uns dois anos para entregar essa obra à população”.

Jânio Darrot lembra também que a implantação do VLT em Goiás é um avanço muito grande, com geração de empregos. “Vamos ter um transporte de maior eficiência, que vai transportar mais passageiros em uma velocidade bem maior”. A reunião aconteceu na Secretaria da Região Metropolitana de Goiânia, no 2º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira.