terça-feira, 15 de novembro de 2011

14/11/2011 - Mato Grosso Notícias

VLT

As obras do novo modal, que percorrerá 23 quilômetros ligando a Avenida Historiador Rubens de Mendonça ao Aeroporto, passando pela Avenida da FEB, e o bairro Coxipó, através da Avenida Fernando Corrêa ao Centro, estão orçadas em R$ 1,152 bilhão e devem ter seu ponta pé inicial em maio de 2012.
 
Após a entrega do projeto, o próximo passo da Secopa será a abertura do processo licitatório, que deverá escolher até dezembro deste ano a empresa que responderá pela execução da obra.

As obras de desbloqueio - que servirão para desafogar o trânsito enquanto as obras de mobilidade são realizadas nas principais avenidas de Cuiabá - deverão ocorrer simultâneas as obras do VLT.

De acordo como secretário-adjunto da Secopa, Djalma Sabo, responsável pelas desapropriações, das cinco obras de desbloqueio – Avenidas Jurumirim (Três Lagoas), Juliano Costa Marques (Bela Vista), Senegal (Bosque da Saúde), Mangueira (Coxipó) e a Rua Barão de Melgaço (Porto) - até o momento, apenas a Jurumirim já finalizou as negociações com os proprietários dos imóveis.

Sabo acredita que as obras da Barão de Melgaço estarão sendo finalizadas quando as obras do VLT começarem. O prazo de execução destas obras varia entre seis a oito meses, sendo seis meses o período exato em que as obras do VLT terão início.
 
Projeto
 
Com a necessidade de menos desapropriações, uma das novidades que serão vistas na cidade é a padronização do tamanho das calçadas. Ao longo das vias que receberão o modal atualmente podem ser vistas calçadas de até 10 metros e em outros lugares a sua inexistência.

Com a proposta do projeto, todas as calçadas terão cinco metros de extensão, com exceção da Avenida Fernando Corrêa da Costa. A avenida possuirá três faixas em cada mão, o que possibilitará uma maior fluidez no tráfego, e para isso as vagas de estacionamento serão sacrificadas.
 
O número de ônibus que circulam pelas avenidas será reduzido e terá a função de alimentar as linhas do VLT. Para isso, os ônibus serão responsáveis por trazer os passageiros dos bairros até uma das 30 estações do metrô da cidade.
 
Os trens passarão, em média, a cada três ou quatro minutos e terão capacidade de atender 450 pessoas por hora. Nas estações da Praça Bispo Dom José e a do Morro da Luz terão capacidade para receber até 800 passageiros.
 
Obras da Copa
 
No contrato assinado entre a extinta Agência Estadual de Execução dos Projetos da Copa do Mundo de 2014 (Agecopa) e a Federação Internacional de Futebol (FIFA), consta a obrigatoriedade da execução de seis obras para que o evento seja realizado na capital mato-grossense.

São elas: Arena Pantanal, entorno do estádio, mobilidade urbana, centros de treinamento, fan park e o aeroporto. Destas estão em andamento as obras do estádio, 30% concluídas; as de mobilidade urbana, timidamente com as obras de desbloqueio, e a do Aeroporto Marechal Rondon, Módulo Operacional (Mop), prevista para ser finalizada no próximo mês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário