quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Em Várzea Grande, mais uma rua é bloqueada para implantação do VLT

30/01:2013 - Midia News

Trabalhos acontecem somente à noite, não há rotas de desvio

Lislaine dos Anjos

Obras em VG: mais uma rua tem o trânsito bloqueado
créditos: Reprodução/MidiaNews

Mais uma rua de Várzea Grande foi bloqueada na noite de terça-feira (29), devido às obras para implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na cidade. A Rua São Caetano, que liga de forma transversal as avenidas João Ponce de Arruda e Ulisses Pompeo de Campos, é a segundo trecho da região do Km Zero a ser bloqueado devido às obras da Copa e deverá permanecer com o trânsito bloqueado até o dia 2 de fevereiro (confira o mapa ao lado).

De acordo com informações da Secretaria de Infraestrutura (Sinfra) do município, o bloqueio do tráfego foi necessário para que o Consórcio VLT Cuiabá, responsável pela implantação do VLT na Grande Cuiabá, possa acomodar as redes de fibra ótica e de distribuição de água, bem como realizar as obras de drenagem no local.

Reprodução

Em vermelho, a Rua São Caetano, que teve o trânsito bloqueado no trecho que liga as avenidas João Ponce e Ulisses Pompeo

Outros seis trechos sofrerão interferências no trânsito até o dia 16 de fevereiro. As intervenções, porém, serão realizadas em etapas, de acordo com a programação do Consórcio VLT Cuiabá. A Sinfra e membros da Guarda Municipal irão garantir a orientação aos motoristas e controle do tráfego durante todo esse período.

Segundo a Sinfra, como as obras na região acontecem apenas no período noturno (das 20h às 5h) de segunda a sexta-feira, e no período diurno nos finais de semana, não há necessidade de implantação de rotas alternativas.

As intervenções na região do KM Zero serão parciais e continuam até o dia 16 de fevereiro. No fim de semana, parte da Avenida João Ponce de Arruda foi fechada para execução dos mesmos serviços (leia mais AQUI).

População atenta às obras do VLT de Cuiabá

31/01/2013 - A Gazeta (MT)

População questiona o andamento da obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na avenida Rubens de Mendonça. Desde a interdição do trecho em frente à Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), realizada há 25 dias, motoristas e pedestres enxergam pouca execução do projeto. Por causa da abertura dos desvios, a população tem dificuldades para ter acesso a espaços de serviços e compras, como o Centro Político Administrativo e ao shopping da Capital.

No trecho por onde antes passavam os veículos no sentido CPA para Centro o asfalto foi retirado em alguns pontos e as cabines dos funcionários do consórcio foram fixadas no canteiro central. Além disso, nenhuma outra atividade sobre a região que receberá futuramente os trens do VLT.

Poucos homens estão neste ponto de construção dos trilhos. Uma máquina de perfuração foi estacionada esta semana no local e daria início aos trabalhos. Vendedor Felipe Ferreira de Sousa, 21, tem um ponto de comércio na calçada da avenida Rubens de Mendonça próximo ao trecho interditado e acompanha descrente a execução. "Eles começam, param, começam, param. Tem alguns pontos da cidade que eu tenho certeza que não termina a obra". Felipe acha ruim a situação e pergunta porque a interdição não foi prorrogada se as atividades não são realizadas. O vendedor goiano diz que por causa da dificuldade em transitar na região, evita até mesmo de frequentar o shopping mais próximo, preferindo ir ao localizado no Goiabeiras. Taxista Enivaldo da Silva Maciel, 21, enxerga lucro por causa do valor das corridas a maior paga pelos passageiros, mas também as críticas dos clientes por causa do transtorno. Para sair do shopping e ir em direção ao Centro o motorista precisa realizar o contorno na avenida Juliano Costa Marques, entrar na avenida Rubens de Mendonça em direção ao CPA, virar à esquerda para o Centro Político Administrativo e terminar o trajeto até chegar em frente ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT). O novo itinerário provoca demora e o aumento em 100% do valor do serviço. Frente à lentidão aparente da obra, o taxista considera a condição do trânsito uma "bagunça". Especialmente em horários de entrada e saída de funcionários públicos o fluxo é intenso e provoca congestionamentos.

Segundo a assessoria de imprensa do Consórcio VLT Cuiabá/Várzea Grande, os serviços empreendidos obedecem uma sequência de processos, iniciada pelo canteiro de obras da Sefaz. No momento as equipes estão trabalhando na remoção de interferências, como a supressão de árvores já realizada. No local há redes de fibra ótica (telefonia, internet) e elétrica que alimentam o Centro Político e Administrativo, "o que demanda atenção redobrada das equipes, além da rede de saneamento (água e esgoto)", diz a nota.

Em relação à parte elétrica, o Consórcio implanta novos postes para transferência da rede. As atividades são executadas em parceria com concessionárias e operadoras e estão dentro do cronograma.

Segundo o consórcio, são feitas escavações estratégicas e cravamento de estacas que serão usadas para a realização do teste de cargas, que simula o peso dos veículos que passam pelo viaduto. Os resultados permitirão conhecer melhor o comportamento do solo/elemento de fundação. "Isso garante a confiabilidade ao projeto e subsidia a equipe projetista na definição do comportamento das estacas nos carregamentos verticais na obra que está sendo executada", consta na nota.

A próxima etapa é o cravamento das estacas que vão dar sustentação aos blocos de concreto (parte de fundação) e aos pilares que vão compor o viaduto.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Licitação do VLT de Goiânia é adiada para fevereiro

30/01/2013 - Revista Ferroviária

A licitação do VLT de Goiânia (GO), anteriormente marcada para o dia 18 de janeiro, foi adiada e deverá acontecer em fevereiro. A nova data será definida no dia 4 de fevereiro, após a reunião da Câmara Deliberativa de Transporte Coletivo (CDTC).

A data teve de ser adiada, pois a tramitação do projeto ainda não havia sido concluída no Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO) e na Procuradoria Geral do Estado de Goiás (PGE-GO).

O VLT de Goiânia terá 14 quilômetros de extensão, 12 estações, cinco terminais de integração com outras linhas de ônibus e contará com 30 trens em operação. Todo o projeto está orçado em R$ 1,3 bilhão.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Veículo Leve sobre Trilhos é opção para Araraquara

20/01/2013 - Jornal de Araraquara

Vereador e Engenheiro Chediek Neto faz saudação ao Prof. Dr. Eduardo Gonçalves David.

A palestra " Mobilidade Urbana Veículo Leve sobre Trilhos" , nesta semana, tirou dúvida de um auditório convidado pelo vereador Elias Chediek. Afinal, a saída dos trilhos permitirá 1,2 milhão de m2 de área que merece ser inteligente e ambientalmente utilizadas para sustentação da vida araraquarense.

A Conferência, ministrada pelo Professor Doutor Eduardo Gonçalves David, apresentou detalhes sobre a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos VLT na cidade de Burgos (Espanha), que contou com sua participação. " Na Europa, algumas cidades são denominadas ' civita' , pois, servem como modelo de desenvolvimento e respeito ambiental. Burgos é uma dessas cidades" , explicou.

David contou também que houve uma grande valorização imobiliária no local da implantação do VLT, pois o local recebeu, além da linha do VLT, um boulevard e uma ciclovia. Chediek lembrou que Araraquara vive um problema crescente de aumento da frota de veículos, com ruas estreitas. Assim, um sistema de transporte público moderno e eficiente seria saída para melhorar o trânsito na cidade. " Nós já temos os trilhos colocados, representam metade dos custos de implantação do VLT. Não podemos perder essa vantagem" , diz Chediek . (Assessoria de Gustavo Ballestero)

Fonte: Jornal de Araraquara

Implantação do VLT em Cuiabá ganhará mais quatro frentes de trabalho em janeiro

08/01/2013 - Secopa

A implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá, sede de quatro partidas da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014, passará a contar, a partir deste mês, com mais quatro novas frentes de trabalho. Atualmente, 650 operários trabalham nas obras do VLT. Esse número subirá para 4 mil em 2013. Os viadutos MT-040, Sefaz e as vias permanentes da Av. XV de Novembro e João Ponce de Arruda são os novos pontos de obras, que somam-se ao viaduto da Universidade Federal do Mato Grosso(UFMT) e a trincheira da FEB, já em andamento. Cuiabá e Várzea Grande terão, assim, seis frentes de trabalho para implantação do metrô de superfície.

Edson Rodrigues/ Secopa-MT
"Estamos adotando todas as providências necessárias para cumprir o cronograma e minimizar os transtornos no trânsito em decorrência das interdições", disse o secretário extraordinário da Copa do Mundo em Mato Grosso, Maurício Guimarães.

De acordo com o secretário-adjunto de Infraestrutura e Desapropriações da Secopa, Alysson Sander de Souza, as obras de mobilidade continuam dentro do cronograma e 2013 será um ano de inaugurações. "Este será um ano decisivo para as obras da Copa. Até dezembro vamos entregar 80% de todo o planejado", afirmou.

Com dois eixos, CPA-Aeroporto e Coxipó-Centro, o modal do VLT será implantado no canteiro central das avenidas Historiador Rubens de Mendonça, FEB, 15 de Novembro, Tenente-Coronel Duarte (Prainha), Coronel Escolástico e Fernando Correa da Costa. Serão três terminais de integração e 33 estações, que terão uma distância média de 500 a 600 metros entre um ponto e outro.

Ao longo dos 22,2 quilômetros de trajeto do VLT serão edificados cinco viadutos, quatro trincheiras e três pontes. A capacidade máxima de passageiros será de 400 pessoas por veículo e o tempo de espera para o embarque será de até quatro minutos.

Fonte: Secopa-MT

Mais Notícias de Mato Grosso

VLT entre Brasília e Luziânia tem custo estimado entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões por quilômetro

08/01/2013 - Jornal de Brasília

Para muitos moradores da Região Metropolitana do DF, a difícil rotina de enfrentar engarrafamentos para chegar à capital pode estar com os dias contados

Traçado das etapas da construção do VLT (Imagem: Divulgação)

Uma nova alternativa de transporte público, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), promete uma ligação mais ágil entre Brasília e Luziânia (GO).

A medida foi publicada no Diário Oficial da União de ontem e traz o edital de contratação de uma empresa que ficará responsável por concluir o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) de implementação da ligação ferroviária entre as duas cidades.

O projeto, sob responsabilidade da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), tem um custo estimado entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões por quilômetro, totalizando R$ 80 milhões.

O objetivo do estudo é adaptar os 76 quilômetros de trilhos que já existem e que servem para transportar cargas, em um transporte confortável e rápido – alcançado uma velocidade de até cem quilômetros por hora. Conforme o projeto, a linha férrea entrará no DF próximo à BR-040, caminho de Luziânia. O VLT passará pelo Park Way, Núcleo Bandeirante, Guará e Setor de Indústrias, e terminará na Estação Rodoferroviária.

Para a implementação do projeto, será utilizado o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO). De acordo com o diretor-superintendente da Sudeco, Marcelo Dourado, o transporte não polui, é 100% sustentável e poderá atender a 560 mil pessoas. "Estamos otimistas com o projeto. Os trilhos estão em bom estado e não deixarão de transportar as cargas", explica.

As empresas têm até 5 de março para entregar as propostas à Sudeco. Segundo Dourado, o prazo máximo para entrega dos estudos é de dez meses. "Em outubro, queremos estar com estes estudos concluídos e apresentar parte de outorga e concessão, a obra de engenharia e adaptação no final de 2013", diz.

Há um pedido para que a linha atenda também aos moradores de Santa Maria, a construção de quatro quilômetros de trilhos e estações. Uma das vias que também será beneficiada é a Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia).

Fonte: Jornal de Brasília

Formalizada transferência de R$ 727 mi para VLT de Cuiabá

08/01/2013 - Só Notícias

Valor liberado é a segunda parcela do empréstimo de R$ 1,2 bi do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal

Foto: Reprodução/TVCA
A liberação de R$ 727 milhões, por meio de empréstimo, entre o governo de Mato Grosso e a União foi formalizada, hoje, em publicação no Diário Oficial da União. Com isso, o Estado está apto para receber o valor e continuar investindo nas obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) entre Cuiabá e Várzea Grande, para a Copa do Mundo de 2014. Esta foi a segunda parcela, do total de R$ 1,2 bilhão, que terá 88 meses para o pagamento.

Ao longo dos 22,2 km de trajeto do VLT serão edificados cinco viadutos, quatro trincheiras e três pontes. A capacidade máxima de passageiros será de 400 pessoas por veículo e o tempo máximo de espera para o embarque será de quatro minutos.

Fonte: Só Notícias, Por Weverton Correa

domingo, 20 de janeiro de 2013

Entorno DF: VLT entre Brasília e Luziânia tem custo estimado entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões por quilômetro

27/12/2012 Jornal de Brasília

Para muitos moradores da Região Metropolitana do DF, a difícil rotina de enfrentar engarrafamentos para chegar à capital pode estar com os dias contados. Uma nova alternativa de transporte público, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), promete uma ligação mais ágil entre Brasília e Luziânia (GO). A medida foi publicada no Diário Oficial da União de ontem e traz o edital de contratação de uma empresa que ficará responsável por concluir o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) de implementação da ligação ferroviária entre as duas cidades.

O projeto, sob responsabilidade da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), tem um custo estimado entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões por quilômetro, totalizando R$ 80 milhões.

O objetivo do estudo é adaptar os 76 quilômetros de trilhos que já existem e que servem para transportar cargas, em um transporte confortável e rápido – alcançado uma velocidade de até cem quilômetros por hora. Conforme o projeto, a linha férrea entrará no DF próximo à BR-040, caminho de Luziânia. O VLT passará pelo Park Way, Núcleo Bandeirante, Guará e Setor de Indústrias, e terminará na Estação Rodoferroviária.

Para a implementação do projeto, será utilizado o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO). De acordo com o diretor-superintendente da Sudeco, Marcelo Dourado, o transporte não polui, é 100% sustentável e poderá atender a 560 mil pessoas. "Estamos otimistas com o projeto. Os trilhos estão em bom estado e não deixarão de transportar as cargas", explica.

As empresas têm até 5 de março para entregar as propostas à Sudeco. Segundo Dourado, o prazo máximo para entrega dos estudos é de dez meses. "Em outubro, queremos estar com estes estudos concluídos e apresentar parte de outorga e concessão, a obra de engenharia e adaptação no final de 2013", diz.

Há um pedido para que a linha atenda também aos moradores de Santa Maria, a construção de quatro quilômetros de trilhos e estações. Uma das vias que também será beneficiada é a Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia).

sábado, 19 de janeiro de 2013

Secopa fiscalizará andamento de obras do VLT de Cuiabá

14/12/2012 - G1 MT

Uma comissão formada por engenheiros e arquitetos foi criada pela Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) para fiscalizar as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), modal escolhido para o transporte urbano, em Cuiabá e Várzea Grande para a Copa de 2014.

A portaria que cria a comissão, de nº 089/2012, foi publicada no Diário Oficial que circula nesta sexta-feira (14). Dez pessoas integram a comissão de fiscalização, que terá como coordenador o arquiteto urbanista Carlos Henrique Rachid Maia de Andrade. A equipe é composta por três engenheiros civis, uma engenheira sanitarista, um engenheiro eletricista, agente de desenvolvimento econômico e social e quatro arquitetos urbanistas.

De acordo com a Secopa, os profissionais serão responsáveis por acompanhar o andamento das obras nas duas cidades e preparar relatórios específicos sobre o cumprimento do cronograma do metrô de superfície. O VLT percorrerá 22 km entre a capital e Várzea Grande, trajeto em que contará com cinco viadutos, quatro trincheiras e três pontes.

Uma rota vai sair do final da Avenida Historiador Rubens de Mendonça (CPA) em Cuiabá e seguirá até o Aeroporto Internacional Marechal Rondon em Várzea Grande. Já a outra linha deve iniciar no fim da região do Coxipó e terminar no centro da capital. A capacidade máxima de passageiros será de 400 pessoas por veículo e o tempo de espera para o embarque será de até quatro minutos. O contrato firmado entre o estado e o consórcio VLT Cuiabá está orçado em quase R$ 1,4 bilhão.

Entrave judicial

As obras do VLT chegaram a ser suspensas, por duas vezes este ano, após decisão liminar concedida pela Justiça Federal de Mato Grosso. Isso porque uma Ação Civil Pública interposta pelos Ministérios Públicos de âmbito estadual e federal no dia 12 de setembro, apontou supostos indícios de que a obra orçada em R$ 1,4 bilhão possa estar superfaturada, além de apresentar supostas irregularidades na licitação pelo Regime Diferenciado de Contratação (RDC).

Contudo, o secretário da Copa, Maurício Guimarães, negou as duas irregularidades à reportagem.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

VLT de Cuiabá obtém liberação de segundo empréstimo da obra

08/01/2014 - Portal 2014

Financiamento de R$ 727 milhões foi formalizado no Diário Oficial da União

VLT de Cuiabá obtem financiamento de R$ 727 milhões (crédito: Secopa/MT)

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) Cuiabá-Várzea Grande, uma das obras mais caras da Copa, obteve liberação do segundo empréstimo, no valor de R$ 727 milhões, que compõe a engenharia financeira do empreendimento.

O financiamento da Caixa Econômica Federal foi formalizado nesta terça-feira (8), em publicação no Diário Oficial da União. O estado de Mato Grosso terá 88 meses (7 anos e 4 meses) para efetuar o pagamento.

Juntando este e o primeiro empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de pouco mais de R$ 420 milhões e que já havia sido arregimentado no ano passado, os financiamentos chegam a R$ 1,2 bilhão.

A obra do sistema sobre trilhos, no entanto, teve contrato assinado em R$ 1,4 bilhão em 2012. O governo mato-grossense espera sanar a diferença com isenções fiscais.

O VLT cuiabano, com previsão de entrega em meados de 2014, terá 22 quilômetros e, hoje, emprega 650 pessoas na obra. Este número deve subir para quatro mil ao longo de 2013, segundo o secretário da Copa em Mato Grosso, Maurício Guimarães.

Edital do VLT de Goiânia está previsto para dia 18

10/01/2013 - Diário da Manhã

Está previsto para o dia 18 o lançamento do Edital de Licitação da obra do Veículo Leve sobre Trilhos, o VLT Anhanguera. De acordo com o secretário de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia, Sílvio Sousa, o projeto básico já está pronto e contém 350 páginas com todos os detalhes da construção do novo transporte público de Goiânia, o qual apresenta capacidade três vezes maior do que a suportada atualmente pelo Eixo Anhanguera.

Sílvio afirma que o edital foi concluído no dia 24 de dezembro. Já no dia 27, a secretaria protocolou o documento no Tribunal de Contas do Estado (TCE) e na Controladoria Geral do Estado (CGE), seguindo os trâmites legais previstos na Resolução n° 11.079. Nela está previsto que toda licitação, antes de ser lançada, deve ser protolocada na CGE. Após a publicação do edital, vence o processo quem oferecer a menor contraprestação ao Estado e o melhor serviço entregue à população.

Ainda de acordo com o secretário, o Estado já cumpriu todas as etapas que cabia a ele. "Nós já concluímos as fases legais. O Estado, até aqui, já cumpriu o seu papel. Agora, para a liberação do edital, ficamos no aguardo do parecer do TCE e da CGE, além da convocação da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC)", disse. A implantação do VLT vai contar com a consultoria de empresas especializadas da França, Inglaterra e Alemanha, todas referência em suas áreas de atuação.

Projeto

O VLT Goiânia terá 13,6 km de extensão, 12 estações de embarque (contra 17 hoje existentes), cinco terminais de integração com outras linhas e ônibus e contará com 30 trens de transporte de passageiros, cada um com dois vagões acoplados.

O projeto também prevê rampas de acesso de máximo 7% de inclinação, facilitando o acesso de quem tem mobilidade reduzida. Os trens terão velocidade de 23,5 km/hora, diminuindo o tempo de espera para três minutos entre as viagens e contará com no máximo seis passageiros por metro quadrado.

Hoje, o Eixo tem 53 cruzamentos. No futuro, serão somente 35. Isso porque, segundo o secretário Sílvio Sousa, o excesso de cruzamentos dificulta o fluxo do trânsito. Serão 259 linhas, sendo 91% delas integradas, e um total de 20 milhões de passageiros. "Um dos fatores intrínsecos ao projeto é a preservação do poder atual, do modelo de concessão, de tarifa e de integração. Hoje, o modelo de integração da Região Metropolitana de Goiânia é um dos mais copiados e eficientes do País", explicou Sílvio Sousa.

O novo modelo vai aumentar a velocidade comercial para 23,5 km/h; ampliar a capacidade de cada composição de 200 para 600 passageiros; reduzir de 53 para 35 os cruzamentos no percurso e headway operacional, que é o tempo de espera do veículo, de três minutos.

O projeto também inclui a reforma da Praça Cívica. Essa parte foi entregue à Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) para que seja feito o orçamento das obras. A principal mudança nessa área é sobre o paisagismo, como melhoria da iluminação, troca de piso (serão colocados antiderrapantes); área com espaço para lazer e convivência no lugar dos estacionamentos; construção de quiosques e de uma pista de ciclismo, dando continuidade à ciclovia da Avenida Universitária.

Orçamento

Em relação ao orçamento da obra, o secretário destacou que a execução está orçada em R$ 1,3 bilhão e será custeada por recursos públicos federais do PAC Mobilidade, e estaduais, através de Parcerias Público-Privadas (PPPs). Explicou que o setor privado terá concessão de 35 anos e que não haverá o aumento da tarifa, que será a mesma dos ônibus em circulação na Capital.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Goiânia: Edital de licitação do VLT está previsto para dia 18

10/01/2013 - Governo GO

Está previsto para o dia 18 o lançamento do edital de licitação da obra do Veículo Leve sobre Trilhos, o VLT Anhanguera. De acordo com o secretário de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia, Sílvio Sousa, o projeto básico já está pronto e contém 350 páginas com todos os detalhes da construção do novo transporte público de Goiânia, o qual apresenta capacidade três vezes maior do que a suportada atualmente pelo Eixo Anhanguera.

Sílvio afirma que o edital foi concluído no dia 24 de dezembro. Já no dia 27, a secretaria protocolou o documento no Tribunal de Contas do Estado (TCE) e na Controladoria Geral do Estado (CGE), seguindo os trâmites legais previstos na Resolução N° 11079. Nela está previsto que toda licitação, antes de ser lançada, deve ser protolocada na CGE. Após a publicação do edital, vence o processo quem oferecer a menor contraprestação ao Estado e o melhor serviço entregue à população.

Ainda de acordo com o secretário, o Estado já cumpriu todas as etapas que cabia a ele. "Nós já concluímos as fases legais. O Estado, até aqui, já cumpriu o seu papel. Agora, para a liberação do edital, ficamos no aguardo do parecer do TCE e da CGE, além da convocação da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC)", disse. A implantação do VLT vai contar com a consultoria de empresas especializadas da França, Inglaterra e Alemanha, todas referência em suas áreas de atuação.

Fonte: Secretaria de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

VLT de Cuiabá terá mais quatro frentes de obras

03/01/2013 - G1

Quatro novas frentes de obras de mobilidade urbana terão início no mês de janeiro deste ano na Grande Cuiabá, de acordo com a Secopa, no entorno do projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), modal de transporte da Copa do Mundo. Ao todo, Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana, somarão seis pontos em obras. Duas delas, sendo na trincheira da Avenida da Feb e do viaduto da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) já estão em andamento.

Dentre as novas obras previstas estão o viaduto da secretaria estadual de Fazenda (Sefaz), que terá 278 m de extensão. Segundo a Secopa, o elevado em formato de ferradura amenizará o tráfego na região onde circulam em média 2.700 veículos por hora, em horário de pico. A estimativa para a conclusão da obra é de seis a oito meses.

Interdição de avenida para obras de viaduto em Cuiabá começa no dia 7 Outro viaduto será construído em um trecho da MT-140, no eixo Centro – Coxipó. A obra terá 445 metros de extensão e será constituída de duas faixas de circulação, por sentido, para o tráfego geral e da via permanente do VLT.

As Avenidas 15 de Novembro e João Ponce de Arruda, em Várzea Grande, também vão passar por obras de adequação para implantação do modal de transporte. Nos locais serão implantadas as estruturas necessárias para a passagem do VLT, composta pela rede aérea de tração, estações de integração e a via permanente.

De acordo com o secretário-adjunto de Infraestrutura e Desapropriações da Secopa, Alysson Sander de Souza, as obras de mobilidade continuam dentro do cronograma e 2013 será um ano de inaugurações. Segundo o secretário, a previsão é que até dezembro deste ano, 80% das obras sejam entregues.

VLT

Com dois eixos, CPA-Aeroporto e Coxipó-Centro, o modal será implantado no canteiro central das avenidas Historiador Rubens de Mendonça (CPA), Feb, 15 de Novembro, Tenente-Coronel Duarte (Prainha), Coronel Escolástico e Fernando Corrêa da Costa. Serão três terminais de integração e 33 estações, que terão uma distância média de 500 a 600 metros entre um ponto e outro.
Ao longo dos 22,2 quilômetros de trajeto do VLT serão edificados cinco viadutos, quatro trincheiras e três pontes. A capacidade máxima de passageiros será de 400 pessoas por veículo e o tempo de espera para o embarque será de até quatro minutos.