quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Intervenções do VLT vão avançar para Cuiabá

14/02/2013 - A Gazeta (MT)

Está previsto para o próximo sábado (16) o fim das intervenções para execução da infraestrutura permanente que abrigará as redes de fibra ótica e água para implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em trechos da Avenida da Feb, em Várzea Grande.

As intervenções parciais na cidade tiveram início no final de janeiro e atingiram as avenidas Couto Magalhães, Ulisses Pompeu de Campos e as ruas Santa Helena e São José. Parte dos trabalhos foi realizada à noite para que não fossem necessárias novas alterações no fluxo do trânsito.

"Em todo o trajeto do VLT será feito o trabalho de preparação das redes de fibra ótica. Começamos por Várzea Grande e vamos avançando ao longo de todo o percurso, nos eixos Aeroporto – CPA e Centro – Coxipó", explicou o secretário da Secopa, Maurício Guimarães.

Leia também:

Consórcio inicia instalação de estacas no VLT de Cuiabá

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Porto Alegre estuda projeto de bonde turístico

14/12/2012 - Jornal do Comércio

Foi apresentado nesta sexta-feira (14), na Câmara de Vereadores, pela Secretaria Municipal de Turismo (SMTUR), o estudo de viabilidade para implantação do Bonde Histórico em Porto Alegre. Entre as opções avaliadas, foi escolhido um percurso de 3,8 quilômetros para a linha turística, com paradas ao longo do percurso e seis viagens diárias por veículo, de terças a domingos. O trajeto tem saída do antigo Abrigo de Bondes, ao lado do Largo Glênio Peres, seguindo pela rua Sete de Setembro com retorno ao ponto de partida pela avenida Duque de Caxias e rua Vigário José Inácio.

Entre as três opções de veículos para a operação, a escolha foi pela restauração de dois bondes originais, de propriedade da prefeitura, com modernização do sistema de alimentação dos veículos utilizando motores a bateria, de baixo consumo de energia e menor custo que o sistema tradicional, que utiliza cabo aéreo.

Realizado pelo consórcio formado pelas empresas Quanta Consultoria Ltda e a Água & Solo Estudos e Projetos, vencedor da licitação feita pela SMTUR no valor de R$ 308.693,00, o estudo de viabilidade técnica e socioeconômica traçou um roteiro que passará por 19 atrativos do Centro Histórico. O trajeto apontado foi indicado como preferido por 73% dos turistas e moradores da Capital ouvidos em pesquisa realizada pelo consórcio.

O estudo de viabilidade, iniciado em julho deste ano, ainda avaliou o impacto ambiental do projeto, as possíveis alterações de trânsito bem como a integração da linha do Bonde Histórico com as demais iniciativas de revitalização do Centro Histórico e com os outros modais turísticos existentes, como o city tour Linha Turismo, que tem pontos de parada no Centro Histórico, e os passeios de barco no Guaíba que parte do Cais Mauá e Cais da Usina do Gasômetro.

O consórcio buscou referências em cidades como Santos (SP), Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ) e Lisboa (Portugal), que contam com linhas de bonde de uso exclusivamente turístico ou combinado como transporte urbano. Para Porto Alegre, a proposta é de transporte unicamente turístico para o Bonde Histórico. A tarifa sugerida pelo estudo de viabilidade para os passeios de bonde é de R$ 20 para uma ocupação de 33% dos 32 assentos mais os espaços reservados para cadeirantes e pessoas obesas.

De acordo com o secretário municipal de Turismo, Luiz Fernando Moraes, o próximo passo será o lançamento de edital de licitação para a contratação do projeto executivo que dará base técnica para a implantação do projeto, definindo também seu custo final estimado em R$ 25 milhões pelo estudo de viabilidade.

Cuiabá estabelece parceria para obras da Copa 2014

23/01/2013 - Só Notícias

A Prefeitura de Cuiabá dará apoio à Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) na execução dos projetos necessários para a realização do evento. A garantia foi dada pelo prefeito Mauro Mendes (PSB) durante reunião com o secretário extraordinário, Maurício Guimarães, e a equipe técnica da pasta, esta manhã.

No encontro, a Secopa apresentou alguns dos principais projetos que serão executados nos próximos dois anos e solicitou auxílio do prefeito para resolução de pendências que vinham prejudicado o andamento das obras. Inicialmente, Mendes se comprometeu a realizar dez ações prioritárias.

Uma delas diz respeito à transferência dos feirantes do Centro Atacadista do bairro Verdão, localizado no entorno da Arena Pantanal. Conforme a Secopa, a medida é necessária porque no local será construído um estacionamento com aproximadamente 500 vagas, que dará suporte durante a realização dos jogos. A obra é a única do entorno da Arena que ainda não foi licitada.

Antes de transferir os feirantes, no entanto, é necessário viabilizar uma área para instalação dos mesmos. O prefeito prometeu se empenhar para encontrar uma solução que contemple todos os envolvidos. Na lista de ações a serem executadas pelo município, constam ainda a definição do modelo de calçada a ser implantado ao longo do trajeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT); a indicação de representantes para compor as Câmaras Temáticas; a liberação da taxa de interdição do trânsito; a aprovação do projeto de implantação da avenida Dr. Hélio Ponce de Arruda, além da aprovação da isenção tributária para a obra do VLT e da Lei Geral da Copa no âmbito municipal.

Mendes também se comprometeu a dialogar com o Ministério Público Estadual com o objetivo de encontrar alternativas para a construção do segundo trecho da avenida Parque do Barbado, que liga a avenida Archimedes Pereira Lima à avenida Juliano Costa Marques. O principal obstáculo para execução da obra é a existência de famílias no local, que precisariam ser transferidas para outra área.

Uma alternativa também será estudada para viabilizar a construção do 10º Batalhão, da Delegacia do Turista e da Delegacia de Marcas e Patentes. A área destinada à construção dos prédios, localizada no bairro Jardim Cuiabá, foi vendida pela prefeitura no ano passado. Neste caso, o município irá verificar as medidas jurídicas possíveis de serem aplicadas, uma vez que o contrato já foi firmado.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Consórcio VLT faz adequação de rota alternativa

21/01:2013 - Detran MT

O Consórcio VLT Cuiabá - Várzea Grande promoveu adequações neste fim de semana na rota alternativa implantada para obras do viaduto da MT-040, que será construído no entroncamento da rodovia com a avenida Fernando Corrêa da Costa. A decisão foi tomada em conjunto com a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU) e a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa).

Até o dia 31 de janeiro, os motoristas que saem dos bairros Jardim Buriti, Nossa Senhora Aparecida, Parque Atalaia, São Gonçalo, Parque Geórgia, Parque Cuiabá, Nova Esperança e outros, ou mesmo quem vem de Santo Antônio de Leverger para Cuiabá poderão acessar a avenida Fernando Correa, não precisando mais entrar na rua H-8, no bairro Nossa Senhora Aparecida. O mesmo vale para os condutores que trafegam pela rua 13 de Maio, no bairro Vista Alegre, e que antes cruzavam a Palmiro Paes de Barros (MT-040) para acessar a rua H-8.

Esta alternativa permite acesso direto dos caminhões e ônibus pela Fernando Correa, reduzindo o tráfego nas ruas dos bairros Nossa Senhora Aparecida e São José, além de beneficiar os comerciantes localizados na avenida.

O Consórcio também fará um estudo para viabilizar tecnicamente o acesso no perímetro de implantação das fundações do viaduto, fazendo o alargamento da pista para manter o fluxo de veículos no local.

MUDANÇAS - As equipes de engenharia em reunião com a comunidade, empresários, Secopa e SMTU estabeleceram mudanças no desvio, atendendo às solicitações dos moradores e comerciantes da região. Para essa ação, o Consórcio mobilizou equipes, materiais e equipamentos e, juntamente com a SMTU, executou um corte no canteiro central da rodovia Palmiro Paes de Barros, próximo ao semáforo instalado recentemente para a rota alternativa, permitindo que o condutor faça a conversão à esquerda para ter acesso à Fernando Corrêa.

Algumas placas também foram revisadas para orientar os condutores e os pontos de ônibus existentes nesse trajeto serão reativados. A adequação motivou ainda o fechamento do acesso entre a rua 13 de Maio e a H-8 sobre a Palmiro Paes de Barros e também no fim rota alternativa, já na Fernando Corrêa, próximo a um motel. Como esse acesso foi bloqueado, os motoristas que querem ir para o centro de Cuiabá terão que fazer o retorno na rotatória que dá acesso ao bairro Residencial Coxipó. O restante da rota não foi alterado.

O viaduto na Fernando Correa com a Rodovia Palmiro Paes de Barros (MT-040) terá aproximadamente 445 metros e será constituído de duas faixas de circulação por sentido, para o tráfego geral e a via central permanente para a circulação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Fonte: DETRAN - MT
Publicada em:: 21/01/2013

VLT de Goiânia deve ser licitado neste mês

06/02/2013 - A Redação

As obras do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), que cobrirá os 13,6 quilômetros da Avenida Anhanguera, substituindo os ônibus atuais, deverão ser colocadas em licitação ainda este mês. Nesta segunda-feira (4/2), na sala de reuniões do 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, representantes da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia reuniram-se com o governador Marconi Perillo para informar que todos os trâmites legais para o lançamento da obra já estavam superados.

"Foi uma reunião histórica", comemorou o governador ao conseguir a aprovação por unanimidade do projeto. Membro da Câmara Deliberativa, o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, declarou ao final da reunião que já não existem mais empecilhos para que o edital seja lançado e a obra realizada de acordo com o cronograma.

O governador lembrou que o edital está agora passando por uma ampla avaliação pelo Tribunal de Contas do Estado. "Já solicitamos ao TCE que apresse a análise e as observações que forem necessárias. Estamos prontos e ansiosos para iniciar a obra", declarou Marconi.

O VLT, a ser implantado no Eixo Anhanguera, ligará os terminais Padre Pelágio (lado Oeste) e Novo Mundo (lado Leste). Ao longo do trajeto, superior a 13 quilômetros, ele será dotado de completa estrutura de mobilidade urbana, como calçadões e ciclovias.

A previsão é a de que o VLT seja construído em dois anos. A obra está orçada em R$ 1,3 bilhão, recurso proveniente dos governos Federal e Estadual. "Todos os recursos já estão assegurados. Nossa expectativa é que haja uma concorrência bastante forte e assim consigamos fazer baixar o preço da obra", disse o governador.

Em relação ao sistema existente hoje – de ônibus articulado –, de acordo com o projeto, o Veículo Leve sobre Trilhos proporcionará inúmeros ganhos aos passageiros que utilizam o transporte no chamado Eixo Anhanguera. O VLT irá transportar o dobro de passageiros a uma velocidade duas vezes superior ao transporte atual, o que resultará na redução, pela metade, do tempo do trajeto.

Informações: A Redação

Veículo Leve sobre Trilhos aprovado em Goiás custará R$ 1,3 bi

05/02/2013 - Diário da Manhã/DM.com.br

A previsão é a de que o VLT seja construído em dois anos. A obra está orçada em R$ 1,3 bilhão, recurso proveniente dos governos federal e estadual.




O Veículo Leve sobre Trilho (VLT), que cobrirá os 13,6 quilômetros da Avenida Anhanguera, substituindo os ônibus atuais, deverá ter sua obra colocada em licitação ainda este mês. Ontem, na sala de reuniões do 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, representantes da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia reuniram-se com o governador Marconi Perillo para informar que todos os trâmites legais para o lançamento da obra já estavam superados.

"Foi uma reunião histórica", comemorou o governador ao conseguir a aprovação por unanimidade do projeto. Membro da Câmara Deliberativa, o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, declarou ao final da reunião que já não existem mais empecilhos para que o edital seja lançado e a obra realizada de acordo com o cronograma.

O governador lembrou que o edital está agora passando por uma ampla avaliação pelo Tribunal de Contas do Estado. "Já solicitamos ao TCE que apresse a análise e as observações que forem necessárias. Estamos prontos e ansiosos para iniciar a obra", declarou Marconi.

O VLT, a ser implantado no Eixo Anhanguera, ligará os terminais Padre Pelágio (lado oeste) e Novo Mundo (lado leste). Ao longo do trajeto, superior a 13 quilômetros, ele será dotado de completa estrutura de mobilidade urbana, como calçadões e ciclovias.

A previsão é a de que o VLT seja construído em dois anos. A obra está orçada em R$ 1,3 bilhão, recurso proveniente dos governos federal e estadual. "Todos os recursos já estão assegurados. Nossa expectativa é que haja uma concorrência bastante forte e assim consigamos fazer baixar o preço da obra", disse o governador.

Em relação ao sistema existente hoje – de ônibus articulado –, de acordo com o projeto, o Veículo Leve sobre Trilhos proporcionará inúmeros ganhos aos passageiros que utilizam o transporte no chamado Eixo Anhanguera. O VLT irá transportar o dobro de passageiros a uma velocidade duas vezes superior ao transporte atual, o que resultará na redução, pela metade, do tempo do trajeto. (Imprensa Goiás)

VLT de Cuiabá está atrasado em 180 dias

04/02/2013 - G1 MT

O Relatório divulgado nesta segunda-feira (4) pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) aponta que 22 das 24 obras para a Copa do Mundo na Grande Cuiabá estão atrasadas, algumas defasadas em até oito meses em relação ao prazo previsto para conclusão.

Até a data em que o TCE produziu seu levantamento, a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande não tinha ainda executado qualquer parte do R$ 1,4 bilhão previsto para o modal de transporte, fato interpretado pelo TCE como um atraso de 180 dias, considerando-se a data de entrega do empreendimento.

Segundo a Secopa, da data da auditoria até esta segunda-feira, a obra do VLT já contou com o investimento de R$ 121 milhões. O status de andamento da construção, afirmou o secretário, está em 22%.

Para o TCE, caso seja excluída a obra do VLT (que não faz parte do pacote de obras acordado entre o governo do estado e a FIFA), o percentual de andamento global das obras da Copa na Grande Cuiabá sobe de 10,81% para 31,64%.

VLT de Goiânia a um passo do início

05/02/2013 - Revista Ferroviária

O VLT de Goiânia deverá ser licitado ainda este mês. Foi realizada nesta segunda-feira (04/02) uma reunião com representantes da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia e o governador do estado de Goiás, Marconi Perillo. Durante a reunião foi informado que todos os trâmites legais para o lançamento da obra já estavam superados e o edital já pode ser lançado. Durante o encontro, o governador explicou que o edital está agora passando por uma ampla avaliação pelo Tribunal de Contas do Estado.

O VLT ligará os terminais Padre Pelágio e Novo Mundo em um trajeto de pouco mais de 13 quilômetros. A previsão de construção para é de dois anos. A obra está orçada em R$ 1,3 bilhão, recurso proveniente dos governos federal e estadual.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Goiânia: Estado quer acelerar análise de edital de implantação do VLT

24/01/2013 - O Popular

O governo do Estado pedirá ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) que seja ágil na análise dos documentos referentes à implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) no Eixo Anhanguera. O chefe do grupo executivo que coordenará o projeto, Carlos Maranhão, pretende conversar com o presidente do TCE, Edson Ferrari, e com a conselheira responsável pela análise do caso, Carla Santillo.

O tribunal devolveu o edital e o contrato sob alegação de falta de documentos relativos ao projeto. "Foi devolvido porque não obedeceu à Resolução Normativa nº 10/2012, que trata do acompanhamento do tribunal de processos relativos a parcerias público-privadas, mas temos todos os documentos que já foram anexados e serão enviados novamente", afirma Maranhão. Ele diz que entregará hoje os anexos que faltavam.

"O que houve foi mal entendimento por parte da Secretaria de Estado da Região Metropolitana, que enviou a minuta do edital sem a complementação necessária dos anexos conforme exigido pela resolução", afirma o chefe do grupo. As minutas do edital, do projeto, e diversos anexos estão disponíveis no site da secretaria. Maranhão afirma, no entanto, que o tribunal só toma conhecimento quando recebe o documento oficialmente. "Já estava tudo aqui, só não tinha sido enviado", afirmou.

No próximo mês completa dois anos que o governador Marconi Perillo (PSDB) anunciou a intenção de implantar o VLT. Neste período houve visitas aos sistemas implantados em Dublin, na Irlanda; e Xangai, na China. Paralelamente, os estudos de viabilidade que o TCE exige foram desenvolvidos.

Atraso

A intenção do governo estadual era lançar o edital em setembro do ano passado. O prazo foi esticado e fixado em 18 de janeiro deste ano. A demora no envio da documentação ao TCE e a falta de autorização da Câmara Deliberativa de Transporte Coletivo (CDTC), no entanto, impediram a abertura do processo licitatório.

A conselheira Carla Santillo relata, em ofício enviado à Secretaria de Estado, que somente recebeu o processo em 7 de janeiro - 11 dias antes da data marcada para lançamento do edital. Mesmo que todos os documentos tivessem sido enviados, haveria atraso: o TCE estima que sejam necessários dois meses para análise de todos os documentos. Maranhão pretende sensibilizar o tribunal a acelerar a análise.

Ainda que o Tribunal de Contas do Estado seja ágil na análise dos documentos, o governo precisa esperar pelo menos até 4 de fevereiro, quando a CDTC se reúne e deverá autorizar a subdelegação do serviço à iniciativa privada, além de rever o prazo de concessão.

Fonte: O Popular

Goiânia: Maranhão assume grupo de trabalho do VLT

22/01/2013 - O Popular

A 15 dias do lançamento do edital de licitação para implantação do Veículo Leve sobre Trilho (VLT) em Goiânia, o governador Marconi Perillo (PSDB) nomeou ontem o ex-presidente da Metrobus Carlos Maranhão para comandar o grupo executivo responsável pela obra.

Afastado do governo há pouco mais de quatro meses, quando coordenava o comitê de marketing da campanha do deputado federal Jovair Arantes (PTB) à Prefeitura de Goiânia, Maranhão havia participado de todo o processo de estudos e garantia de recursos para o empreendimento.

O grupo executivo foi criado em lei em dezembro do ano passado. Oficialmente, a escolha de Maranhão teve relação com o fato de já ter envolvimento com o projeto e condições de cuidar da obra em período integral. Avaliou-se a possibilidade de nomeação do secretário de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia e de Cidades, Silvio Sousa, ou do presidente da Metrobus, Adriano Rodrigues de Oliveira, para o comando do grupo.

Adriano deixou a vice-presidência da Agência de Transportes e Obras (Agetop) para assumir o lugar de Maranhão na Metrobus. Ele já havia comandado a empresa entre 2007 e 2008.

Além do conhecimento sobre o projeto e do fato de não acumular outras funções, estaria por trás da nomeação de Maranhão também a boa relação com a Prefeitura de Goiânia. Mesmo estando em lado oposto ao prefeito Paulo Garcia (PT) na campanha eleitoral, o auxiliar do governo tem bom trânsito no Paço.

A gestão estadual se esforça para evitar que o embate político contamine o processo de implantação do VLT, depois de episódios de mal-estar com a Prefeitura. O grupo que Maranhão comandará tem um conselho com 12 integrantes, sendo um deles indicado pelo prefeito.

Do custo de R$ 1,3 bilhão previsto, R$ 215 milhões sairão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, do governo federal, cedidos pelo Paço.
O grupo executivo será vinculado à Secretaria da Região Metropolitana, onde deve se instalar, mas se reporta diretamente ao governador, segundo a Lei 17.842. "É uma unidade operacional que funcionará de forma independente", diz Maranhão.

Ele prevê que o quadro de auxiliares, de 11 pessoas, aumente nos próximos dias, chegando a 20 integrantes. O salário do presidente é equivalente a de diretor, de R$ 15 mil.

A previsão é que o edital de licitação do VLT, previsto para este mês, seja lançado em 5 de fevereiro, no dia seguinte à reunião da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC), que precisa dar o respaldo ao projeto.

Fonte: Jornal O Popular