segunda-feira, 30 de junho de 2014

Retomada a instalação de trilhos do VLT no MT

27/06/2014 - G1 Mato Grosso

Terminado o período de disputa de jogos da Copa do Mundo em Cuiabá, obras de mobilidade urbana foram retomadas na capital e em Várzea Grande, região metropolitana. Entre elas está a implantação de trilhos na via permanente do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O consórcio responsável pela obra, de acordo com a Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa), retomou algumas frentes de trabalho para dar continuidade à obra.

Estão em implantação dois tipos de trilhos do VLT. Um deles é chamado de vignole, fabricado na Espanha, e será instalado em 10 km do pátio do estacionamento dos vagões do VLT até o Centro de Manutenção e às linhas de manobras do veículo. A instalação destes trilhos começou em novembro de 2013 e todo o material já está em Várzea Grande.

O outro tipo de trilhos é chamado de grooved, produzido na Polônia, que será instalado nos 22 quilômetros do trajeto do VLT nas duas cidades. Ainda segundo a Secopa, 95% dos trilhos já foram descarregados no pátio do estacionamento dos vagões.

O VLT

Lançado em 2011 em substituição ao sistema de corredores exclusivos para ônibus Bus Rapid Transit (BRT), o projeto do VLT foi homologado em meio a indícios de fraude no Ministério das Cidades, mas acabou recebendo financiamento federal e sendo licitado em junho de 2012 por meio do Regime Diferenciado de Contratação (RDC) - novo modelo de licitação menos rígido que o imposto pela lei 8.666/93 e autorizado pelo governo federal para obras da Copa.

A construção de todo o projeto do VLT, licitado por R$ 1,477 bilhão, já deveria estar pronta no dia 13 de março, data estabelecida no contrato assinado com o consórcio de empreiteiras responsável. Entretanto, os trabalhos atrasaram e o governo admitiu que a população da Grande Cuiabá deve usufruir do novo modal de transporte somente em 2015.

A chamada linha 1 vai ligar o Aeroporto Marechal Rondon à região do Centro Político e Administrativo da capital. Já a linha 2 vai percorrer o trecho entre o centro de Cuiabá e a região do Coxipó.

No primeiro trecho, entre o aeroporto e a Ponte Júlio Müller, sobre o Rio Cuiabá, já foram instalados cerca de 1.350 metros de trilhos.

domingo, 29 de junho de 2014

Mais quatro vagões do VLT já estão em Várzea Grande

06/02/2014 - O Documento

O processo logístico, elaborado e executado pela MAC Logistic, foi o mesmo do primeiro veículo, que chegou a Cuiabá em novembro de 2013.

Mais quatro vagões dos Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) chegaram em Várzea Grande nesta quarta-feira (05). Agora são nove o número de composições do novo modal descarregadas no pátio de estacionamento, localizado no município. Nas próximas semanas, mais quatro unidades serão descarregadas no local.

Os trens saíram do Porto de Santos nos dias 28 e 29 de janeiro e chegaram ao Porto Seco de Cuiabá entre os dias 1° e 02 de fevereiro. Como na segunda remessa de trens, foram necessárias 12 carretas para realizar o transporte dos veículos. Cada VLT foi dividido em três partes, desde a fábrica na Espanha até o CM. Depois de chegar ao destino final, equipes especializadas da CAF Brasil fazem a acoplagem das três partes do veículo, transformando em uma composição completa.

Outras quatro composições do VLTs já chegaram ao Porto de Santos esta semana, e aguardam o trâmite aduaneiro para então serem colocados nas carretas e destinados a Cuiabá.

Logística

O processo logístico, elaborado e executado pela MAC Logistic, foi o mesmo do primeiro veículo, que chegou a Cuiabá em novembro de 2013. Os trens foram fabricados e embarcados pela CAF Brasil, uma das empresas integrantes do Consórcio VLT, e responsável pelo fornecimento do material rodante (trens e sinalização ferroviária). Assim como nas viagens anteriores, as carretas trafegaram apenas durante o dia, a uma velocidade média de 40 km/h e monitoramento via satélite 24 horas por dia, durante todo o trajeto. A distância entre Santos e Cuiabá é de aproximadamente 1.800 quilômetros. O trajeto percorrido do Porto Seco de Cuiabá até o Centro de Manutenções, em Várzea Grande, foi feito pela rodovia dos Imigrantes.

O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande entregará ao Governo de Mato Grosso um total de 40 VLTs. Conforme o cronograma logístico, o último lote chegará a Cuiabá em maio próximo. Cada VLT é composto por sete módulos, com capacidade para transportar até 400 pessoas, sendo 77 sentadas.

Entre os benefícios do novo modal está a oferta de um serviço de transporte público regular e de qualidade, confiável, confortável e seguro, com baixa emissão de gases poluentes (pois é elétrico, com subestações próprias) e de ruídos, além de integrar o aeroporto à rede hoteleira e ao Centro Histórico de Cuiabá e Centro Político e Administrativo.

Sobre o VLT

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) está sendo implantado nas principais avenidas de Cuiabá e Várzea Grande (Fernando Corrêa da Costa, Coronel Escolástico, Historiador Rubens de Mendonça, Tenente Coronel Duarte (Prainha) e XV de Novembro, na capital, e nas avenidas da FEB e João Ponce de Arruda, na cidade vizinha, totalizando 22 km de extensão.

No trajeto estão previstas obras de artes especiais (trincheiras, viadutos e pontes), além da sobreposição do córrego da Prainha. Serão 33 estações de embarque e desembarque e quatro terminais de integração, localizados nas extremidades do trecho e outra no Porto, onde também será feita a integração com o transporte coletivo (ônibus).

Fonte: O Documento

sábado, 28 de junho de 2014

Obra do VLT é retomada e 1º km de trilho está assentado

27/06/2014 - A Copa do Pantanal

Após a realização dos quatro jogos da Copa do Mundo em Cuiabá, as atenções da Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) se voltam para as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Os trabalhos de implantação da via permanente foram retomados esta semana com o assentamento dos trilhos na avenida João Ponce, nas imediações do aeroporto de Várzea Grande, onde já está concluída a primeira estação do novo modal.

De acordo com o consórcio VLT, são dois tipos de trilhos, os grooved, produzidos na Polônia, e os trilhos vignole, fabricados na Espanha que estão sendo assentados. Os vignole, totalizando 10 quilômetros estão sendo instalados no pátio de estacionamento, se estendendo ao Centro de Manutenção (CM) e linhas de manobras do VLT. Todo o material já está em Várzea Grande. A instalação dos trilhos começou em novembro de 2013 e está sendo feita em etapas. Nas últimas semanas, houve um avanço considerável na estrutura do pátio.

Ao mesmo tempo, estão sendo assentados os primeiros quilômetros dos 22 km do trajeto do novo modal. Cerca de 95% do volume já foi descarregado no pátio do VLT, em Várzea Grande, segundo informações do consório. A instalação dos trilhos na via permanente iniciou em dezembro de 2013. 

O primeiro quilômetro já foi concluído. Na linha 1 (Aeroporto–CPA), entre o viaduto ferroviário do Aeroporto e a ponte Júlio Muller, na Avenida João Ponce de Arruda, foram colocados aproximadamente 1.350 metros de trilho. 

A Secopa divulgou nesta sexta-feira, imagens atualizadas da instalação dos trilhos do VLT, em Várzea Grande. Confira abaixo a galeria atualizada de imagens das obras do VLT

http://acopadopantanal.com.br/?p=not...t%E1-assentado
__________________

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Governador de MT se desculpa por não concluir VLT

18/06/2014 - G1 MT

O governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), pediu desculpas nesta terça-feira (17) por não ter conseguido concluir dentro do prazo estabelecido obras prometidas para a Copa do Mundo, como a implantação do metrô de superfície Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá. O novo sistema de transporte coletivo havia sido lançado em 2011 pelo governo estadual para atender à mobilidade urbana durante o evento da Fifa neste ano e foi licitado por mais de R$ 1,477 bilhão. É a maior licitação já realizada em Mato Grosso e a obra mais cara da Copa na capital.

Em março, o fracasso na execução dos trabalhos dentro do prazo contratual já havia forçado a Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) a admitir que o novo sistema só deveria ser usado a partir de 2015. Entretanto, somente nesta terça-feira - dia do segundo jogo do torneio da Fifa em Cuiabá, o empate de 1 a 1 entre Rússia e Coréia do Sul – o governador se viu na condição de pedir desculpas pelos transtornos causados por obras não conclusas, fazendo referência ao VLT. Ele havia acabado de receber o vice-primeiro-ministro russo Arkady Dvorkovich em visita oficial e, antes de tocar no assunto das obras, falava à imprensa que se sentia agradecido pela receptividade que os cuiabanos têm proporcionado aos visitantes estrangeiros.

"A forma amável que o povo cuiabano e mato-grossense tem demonstrado aos nossos turistas é uma coisa impressionante. Quero agradecer e pedir desculpa pelos transtornos que nós tivemos, de não poder ter entregado todas as obras. A vontade nossa era, assim como todo cidadão, estar andando de VLT hoje. Fugiu do nosso cronograma, mas vamos entregar, vamos fazer o possível para entregar", declarou o governador.

Por conta do atraso nas obras do VLT, avenidas de Cuiabá e Várzea Grande (cidade da região metropolitana) atualmente se apresentam com os canteiros centrais demolidos ou com restrições de trânsito devido não só à abertura para instalação dos trilhos, mas por conta de obras de arte especiais inclusas no projeto, como viadutos e trincheiras. Até a ponte Júlio Müller, a principal ligação entre Cuiabá e sua cidade vizinha, está em obras.

Além de se desculpar por esses transtornos no trânsito local, o governador fez uma breve avaliação das condições de Cuiabá para receber o evento da Fifa e do que o governo efetivamente conseguiu prover em termos de estrutura. O pacote de 56 obras prometido pelo governo não foi concluído nem pela metade - situação recorrente em outras cidades-sede da Copa no país.

"A avaliação que eu faço é positiva. Dentro das dificuldades que nós tivemos, nós conseguimos cumprir o que é a receptividade das pessoas, o aeroporto operando e a Arena – uma das mais bonitas do Brasil, disparado uma das mais bonitas do mundo. É lógico que nós não conseguimos realizar todas as obras", admitiu o governador, ponderando que o estado foi "ousado" ao se comprometer com a entrega de tantos projetos.

De qualquer maneira, Silval assegurou que o governo está comprometido com o prosseguimento das obras do VLT. "Nós vamos entregar. Nós não paramos nem vamos parar a obra", insistiu, fazendo questão também de afirmar que os esforços empreendidos pelo governo em prol da Copa do Mundo trarão reflexos positivos para o turismo local e para os investimentos estrangeiros em Mato Grosso. "Tenho certeza que fizemos a diferença", declarou.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Modelo de gestão do VLT e Arena serão definidos só após a Copa

12/06/2014 - Folha Max

O edital de concessão da Arena Pantanal e do Complexo Verdão - que inclui o Ginásio Aecim Tocantins, piscina e o palácio das artes - deve ser publicado após a realização da Copa do Mundo. "Precisamos ter a exata dimensão das despesas da Arena Pantanal, das possibilidades de receitas para soltar o edital que atendesse o estádio como multiuso, contemplando todos os 32 hectares do Complexo Verdão", explicou o secretário extraordinário da Copa do Mundo (Secopa), Maurício Guimarães. 

Ele não entrou em detalhes se há empresas interessadas em administrar a Arena. O estádio foi entregue para a Fifa no dia 21 de maio e deve ser entregue de volta ao controle da Secopa em julho, com o final da Copa do Mundo. 

O secretário reforçou que diferente do que se propaga, a Arena Pantanal não será um "elefante branco", embora o futebol regional não tenha o apelo junto ao público para levá-lo ao estádio. O time de maior representação no futebol de Mato Grosso é o Luverdense, que disputa a série B do Campeonato Brasileiro. 

A Arena Pantanal teria despertado interesse de grupos que gostariam de administrar o local como palco de shows e eventos.Também depois da Copa do Mundo, a Secopa deve se debruçar sobre o modelo de concessão do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). "Já temos algumas propostas e já apresentamos aos órgãos de controle. O problema é que não existe uma regulamentação no Brasil do operador do VLT, é uma carreira nova". 

Ele comentou que todos os estudos mostram que a tarifa do VLT não será muito diferente dos R$ 2,80 cobrados no transporte público. Como será compartilhado o uso do VLT com as linhas de ônibus, o preço deve se manter no patamar. "O modelo da concessão será definido este ano junto com a conclusão das obras. Esperamos que o VLT entre em operação até o primeiro semestre de 2015". 

A demora em estabelecer como será o modelo de integração entre o VLT e as linhas do transporte público em Cuiabá e Várzea Grande pode causar adiamento no edital de licitação do transporte coletivo na Capital. As atuais concessões do município com as empresas vencem neste mês. 

Para fazer um novo edital o município precisa ter em mãos quando o VLT passa a funcionar, quantas linhas serão acrescidas ou extintas. Secretário municipal de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU), Antenor Figueiredo disse apenas que a SMTU precisa se adequar ao modelo do VLT, mas não poderia dar entrevistas.

Fonte: Folha Max
Publicada em:: 12/06/2014

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Em Cuiabá, obra da Estação VLT/Aeroporto entra na fase final

12/06/2014 - Via Trólebus

Já foram concluídas as obras civis da estrutura. Próxima etapa é realizar o complemento da iluminação e executar alguns acabamentos

O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande conclui as obras civis da Estação Aeroporto, cuja estrutura entra na segunda etapa da construção, com o complemento da iluminação, realização de alguns acabamentos e as atividades que antecedem a instalação dos sistemas para a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Com toda a infraestrutura pronta, a edificação já possui cobertura, placa indicativa e iluminação, restando apenas alguns acabamentos. Essas atividades serão executadas após os jogos da Copa do Mundo.

A estação será usada principalmente por usuários do aeroporto, onde eles embarcarão e desembarcarão em uma estrutura moderna e com arquitetura diferenciada. Essa foi a primeira estação a ser edificada pelo Consórcio VLT, que iniciou também as obras de outras quatro estações em Várzea Grande (Couto Magalhães, Shopping Fórmula, Secretaria de Esportes e Abelardo Azevedo). Nessas estações já foram executadas a fundação e atualmente estão sendo feitas a instalação da estrutura metálica, plataformas de embarque e desembarque e cobertura.

Ao todo, Várzea Grande contará com oito estações (incluindo a anexa ao Terminal de Várzea Grande), de um total de 36 unidades, incluindo as quatro anexas aos terminais. A estação aeroporto terá 65 metros de comprimento, por 19 de largura e sete metros de altura (em seu ponto mais elevado).

Considerando o traçado do VLT, serão 24 estações na linha 1 (Aeroporto-CPA) e 12 na linha 2 (Centro-Coxipó). Vale lembrar que entre essas está a Estação Porto, que também será diferenciada, uma vez que será usada como terminal, para integração entre o transporte coletivo e o VLT.

Estrutura
A Estação Aeroporto tem projetos civil e arquitetônico diferenciados. Na parte civil, a diferença em relação às demais estações começa na locação da estrutura na via. Diferentemente das outras estações (com exceção da Estação/Terminal Porto), a do Aeroporto está localizada na lateral da avenida, (no sentido Aeroporto-Trincheira Zero Km) e não no canteiro central.

Em decorrência disso, a locação das linhas dos trilhos está no centro da estação e não na lateral como nas demais estações, o que traz um diferencial à esta estação fazendo com que tenha duas plataformas para embarque e desembarque de passageiros. Nas outras estações será apenas uma plataforma para acesso ao VLT.

Ainda na parte civil (estrutural), a estação contará com bilheteria, catracas para entrada e saída de pessoas, sala de quadros (para instalação dos equipamentos), sanitário para uso interno, lixeiras e pontos com bancos para o usuário aguardar a chegada do VLT (cujo intervalo pode ser de quatro minutos por sentido dependendo do horário).

Considerando que a Estação Aeroporto é a porta de entrada da cidade para os turistas que desembarcam em Várzea Grande, o projeto arquitetônico também é diferente, com formato de arco, que dará um aspecto mais charmoso à estrutura. Associado à arquitetura singular, um projeto paisagístico dará o toque final ao ambiente, e será distribuído em três pontos diferentes.

Acessibilidade
Não só na Estação Aeroporto, mas em todas as outras, está assegurada a acessibilidade aos usuários. A primeira característica é o nível da plataforma, igual à do trem, facilitando a entrada e saída de passageiros portadores de necessidades especiais. Da entrada da estação até a área de desembarque, os deficientes visuais poderão se deslocar usando o piso tátil. Também será reservada uma área na plataforma para pessoas que usam cadeiras de rodas e com mobilidade reduzida.

Fonte: Via Trolebus