quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

União sugere PPP para conclusão do VLT e rejeita redução dos trilhos

 09/12/2015 – Folha Max – Cuiabá/MT

Uma das mais complexas e emblemáticas obras projetadas para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na região metropolitana de Cuiabá precisa ser concluído. A defesa do modal, que tem gerado fortes debates, foi novamente discutida por especialistas nesta quarta-feira, na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado, em audiência pública solicitada pelo senador Wellington Fagundes (PR-MT).

A diretora de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide de Faria, é uma das defensoras da continuidade da obra. Ela destacou que o VLT tem que ser implantado “até por tudo que já aconteceu ao longo desse período” e também pelos investimentos já realizados. “Há uma infraestrutura montada e preparada. Fora os trens que já foram adquiridos”- frisou, ao enfatizar os estudos que estão sendo realizados para dar uma solução a obra.

Mesmo com o modelo de modal questionado, Luiza Gomide defendeu a construção por meio de uma Parceria Público Privada, a chamada PPP, para conclusão integral do empreendimento e também para sua operacionalização. Ela desaconselhou a redução dos 22 quilômetros de trilhos previstos no projeto original, pela metade. “Isso significa que uma parte da população vai ficar desassistida” – frisou.

Em outubro, o urbanista Tom Rebello, da CIP/Intercon Consultoria Internacional, durante debate sobre “Cidades Sustentáveis” na Comissão Senado do Futuro, foi taxativo ao fazer a defesa do VLT. “Eu não tenho a menor dúvida de que é o transporte do futuro, porque é um transporte que valoriza espaço, que cresce junto com a cidade e que, sobretudo hoje – nós vamos poder ver mais na frente –, convive de maneira agradável com o meio ambiente” – disse.

Para Rabello, metrôs e trens de subúrbio e os próprios corredores de ônibus, os chamados BRTs, estão ultrapassados. “Nós não podemos mais pensar que as cidades vão evoluir para ter cada vez mais transporte de massa” – enfatizou, na ocasião. O especialista previu que as cidades vão organizar-se de maneira diferente e a população se deslocará muito menos. “Acho que o VLT, ou bonde, como alguns gostam de chamar, é a melhor tecnologia, porque ela associa boa qualidade de transporte com a valorização do espaço urbano, ao contrário de outras tecnologias que nem sempre proporcionam isso” – salientou.

Está na região metropolitana de Cuiabá, o principal problema de obra da Copa relacionada à infraestrutura aeroportuária. O Aeroporto Marechal Rondon integra o rol de obras inacabadas.

No período da Copa, o terminal conseguiu atender a demanda, mas, em seguida, as melhorias previstas não se concretizaram. Solucionados os impasses, os empreendimentos terão prosseguimento e devem estar concluídos dentro de oito meses, segundo previsão do assessor especial da diretoria da Infraero, Jaime Henrique Caldas Parreira. Para Neusvaldo Ferreira Lima, secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo, a Copa do Mundo trouxe grandes benefícios ao setor. Ele destacou o incremento em todas as áreas, inclusive no fomento a cultura. Neusvaldo também assegurou que as arenas construídas para o evento têm amplas condições de serem utilizadas em práticas que ajudem a movimentar a economia local e assegurem o seu bom aproveitamento, além da prática de futebol. Projetos – Na audiência pública da CDR, os participantes voltaram a concordar que um dos maiores problemas que o poder público enfrenta é justamente a falta de bons projetos e planejamento adequado.

Para o secretário de Fiscalização de Infraestrutura – TCU, Rafael Jardim Cavalcanti, o legado da Copa pode ser dimensionado em três situações: “os que ficaram, os que ainda estão em andamento e os que não serão construídos”. Em busca da efetividade, ele defendeu consistência nos estudos de viabilidade técnico, financeira e ambiental.


sábado, 5 de dezembro de 2015

VLT de Petrolina (PE) deve ter editais até fevereiro

04/12/2015 - Revista Ferroviária


A Prefeitura de Petrolina (PE) está finalizando os estudos necessários para a implantação do VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) na cidade e pretende publicar dois editais até fevereiro de 2016. Um para a contratação de empresa que será responsável pela construção da via e outro para aquisição de material rodante.

Representes do Município, incluindo o prefeito Julio Lossio, participaram ontem (03/12) do 2º Fórum Movecidades, em São Paulo, para apresentar o projeto ao mercado. O VLT de Petrolina prevê uma linha com extensão de 4,8 km e sete estações. A intenção é usar três veículos elétricos na operação da linha, com capacidade para até 450 passageiros cada.

A Prefeitura conta com R$ 140 milhões para o projeto, via PAC Mobilidade, dos quais R$ 90 milhões devem ser destinados à construção da linha e R$ 50 milhões à aquisição do material rodante.