terça-feira, 14 de maio de 2013

Primeiro VLT de Cuiabá já está em teste na Espanha


13/05/2013 - Olhar Copa

Em agosto deste ano chegam a Mato Grosso as primeiras composições do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), sistema escolhido como o modal do transporte coletivo da capital mato-grossense para a Copa do Mundo e considerado como um dos mais modernos do mundo. Os dois primeiros trens fabricados para rodar em Cuiabá e Várzea Grande já estão prontos e iniciaram a fase de testes na cidade de Zaragoza, na Espanha. A revelação foi feita pelo gerente do Consórcio VLT Cuiabá-VG, Fernando Orsini em entrevista exclusiva ao site Olhar Copa. Ele adiantou que ainda este mês essas composições serão despachadas e devem chegar a Mato Grosso em agosto, após o trâmite natural de três meses com a exportação. O Governo do Estado, através da Secopa divulgou a imagem do primeiro VLT em testes nesta segunda-feira (13).

Segundo Orsini, os dois primeiros carros já estão montados com sete vagões cada. Finalizados na semana passada, esses trens passarão por todos os testes obrigatórios em trilhos apropriados para rodagem sob pressão e velocidade máxima. Um dos carros já está passando por esses testes e deve receber o aval para exportação em breve, se não apresentar qualquer problema.

A Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) informou que no mês de agosto devem chegar os dois primeiros carros que hoje se encontram em testes. A partir daí, a fábrica deverá respeitar um cronograma de entrega mensal com envio de composições a cada 30 dias, de acordo com contrato firmado junto ao Governo do Estado de Mato Grosso. Os últimos carros saem da Espanha em janeiro e devem chegar a Cuiabá em março. A exemplo dos vagões, os trilhos também seguem na fase de fabricação e a primeira remessa deve chegar em agosto junto com os primeiros VLT’s.

Na visita que fez recentemente à Espanha, o engenheiro da Secopa, Felipe Nascimento conheceu a fábrica e constatou a fabricação dos primeiros carros. Segundo o engenheiro, a fabricação dos trucks, caixas e até a fase de acabamento estão com parte do cronograma adiantado. No mês passado, ele fez uma apresentação à imprensa das imagens registradas em Zaragoza, na fábrica dos trens. O engenheiro informou que ainda em abril oito conjuntos já tiveram carcaça concluída e instalação das cabines em cima do primeiro chassi.

 “E podemos afirmar hoje, seguramente, que a fabricação das composições do VLT que rodarão em Cuiabá e Várzea Grande estão rigorosamente dentro do prazo e até com uma ligeira folga no cronograma. Não temos qualquer dúvida de que em agosto estes primeiros carros estarão sendo apresentados à imprensa e à sociedade cuiabana”, afirmou o gerente do consórcio VLT, Fernando Orsini, que vai além: “Também as obras de implantação do sistema estão dentro do seu cronograma para serem entregues dentro do prazo que é março de 2014. Até aqui, tudo anda conforme a planilha estabelecida e não há qualquer atraso”.

O chefe do Consórcio informou que as obras do VLT segue em várias frentes com trabalhos em trincheira (rotatória do Zero Km) e viadutos (UFMT, Sefaz e ferroviário da MT-040) e ainda na abertura dos trabalhos de remoção dos canteiros para a instalação de trilhos que tiveram início em Várzea Grande, há alguns dias. Os trechos da avenida João Ponce (em frente ao aeroporto) e avenida da FEB, recebem tratamento em canteiros para a instalação da via permanente. A avenida Prainha, em Cuiabá, já passou pelo trabalho de recuperação arqueológica e também deve ser interditada parcialmente nas próximas semanas para o trabalho de reforço do canal.

Assim como o gerente do consórcio VLT, o secretário da Secopa, Maurício Guimarães mostra confiança na conclusão do novo modal em março de 2014. “O ritmo dos trabalhos está de acordo com previsto e não tenho dúvida de que o sistema será entregue dentro do prazo e cumprindo a Matriz de Responsabilidade da Fifa. As frentes de trabalho serão ampliadas e essas obras terão maior celeridade a partir de agora com o fim do período das chuvas”, disse o secretário que, no entanto, previu mais transtornos quando as obras atingirem a região central. “Não diria que a cidade vai parar, mas que vamos estar com o nosso dia a dia mais impactado”, avisou.

A preparação dos canteiros para a instalação dos trilhos chega a Cuiabá nos próximos dias. Neste final de semana teve início o trabalho de logística e preparação de vias para as obras na avenida XV de Novembro. Ainda este mês, haverá interdição parcial de uma faixa central da via para a instalação da via permanente. A avenida permanecerá liberada ao trânsito, porém com apenas duas faixas de rolamento em cada lado. Uma equipe técnica da SMTU (Secretaria Municipal de Transporte Urbano) já está preparando a nova sinalização do local e trabalhando na elaboração de novas rotas.

Mais sobre o VLT cuiabano

Com dois eixos, CPA-Aeroporto e Coxipó-Centro, o modal será implantado no canteiro central das avenidas Historiador Rubens de Mendonça, FEB, 15 de Novembro, Tenente Coronel Duarte (Prainha), Coronel Escolástico e Fernando Correa da Costa. Serão três terminais de integração e 33 estações, que terão uma distância média de 500 a 600 metros entre um ponto e outro.

Na execução das obras, o consórcio será responsável pela edificação de obras de arte especial. Ao longo dos 22,2 kms de trajeto do VLT, serão edificados cinco viadutos, quatro trincheiras e três pontes.

Eixo Aeroporto-CPA

Com 15 Km de extensão, o trajeto CPA-Aeroporto contará com dois terminais de integração (CPA1 e André Maggi, que terá um elevado ferroviário no aeroporto Marechal Rondon), 22 estações de transbordo, quatro trincheiras (KM Zero, Avenida da FEB- Cristo Rei, Trigo Loureiro, Rua Luis Felipe, dois viadutos (elevado ferroviário no aeroporto Marechal Rondon e próximo à Sefaz, na região do CPA) e uma ponte sobre o rio Cuiabá. Nesse eixo será feito também a reestruturação do canal da Prainha, na região central de Cuiabá.

Eixo Coxipó - Centro

O eixo Coxipó-Centro terá 7,2 Km de extensão, um terminal de integração (Coxipó), 11 estações de transbordo, três viadutos (MT 040, avenida Beira Rio e um no trevo da UFMT) e duas pontes sobre o rio Coxipó. Os terminais terão estacionamento para veículos e bicicletário, ampliando o potencial de mobilidade urbana na Capital e em Várzea Grande. O projeto prevê também que todos os critérios de acessibilidade na execução das obras e na implantação das obras. O sistema de bilhetagem deverá ser compatível e integrado aos sistemas de arrecadação utilizados nos transportes públicos de Cuiabá e Várzea Grande, hoje em operação em seus ônibus (bilhetes, cartões, máquinas de venda e validadores).

Nenhum comentário:

Postar um comentário