domingo, 3 de abril de 2011

Cuiabá terá estudo sobre VLT

03/03/2011 - Diário de Cuiabá

Um grupo de empresários esteve ontem em Cuiabá para dar início aos estudos de viabilidade para a implantação do sistema VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Caso seja aprovado, o sistema de transporte vai substituir o BRT (Bus Rapid Transit) no projeto de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014. A empresa preferiu não divulgar o nome.

Serão realizados estudos de mobilidade e levantamentos topográficos das áreas por onde passariam os corredores do VLT. Os dados para os estudos foram disponibilizados pela Agecopa (Agência Estadual de Execução dos Projetos para a Copa do Mundo de 2014). Os corredores são os mesmos do projeto do BRT, ligando o aeroporto ao CPA e o Coxipó ao Centro. Uma das vantagens do VLT, afirmaram os empresários, é que o sistema é mais ecologicamente viável, pois não usa combustível fóssil, e, sim, energia elétrica.

Ainda não é possível prever qual será a quantidade de vagões do VLT, caso seja mesmo o projeto escolhido para a cidade. O número de passageiros por vagão e o custo estimado da passagem também só poderão ser conhecidos depois que o levantamento estiver pronto. O estudo de viabilidade da implantação do VLT em Cuiabá será entregue até o dia 31 de março para a Agecopa.

Em relação às desapropriações, os empresários afirmam que ainda é cedo para dizer se o VLT terá número menor de imóveis desocupados do que o sistema BRT. O tema tem gerado preocupação, principalmente por parte dos locatários da Avenida Prainha, um dos locais mais afetados pelos corredores viários. A previsão é que quase todos os imóveis do trecho entre a Praça Bispo Dom José e o Morro da Luz sejam desapropriados.

Nesta semana, a Agecopa contratou a empresa Regular Assessoria e Regularização Imobiliária para fazer levantamento a respeito das desapropriações que serão necessárias para o projeto de mobilidade urbana visando a Copa de 2014.

VLT diminuirá desapropriações em Cuiabá, diz Riva 
Para deputado, modalidade de transporte é viável, econômica e ambientalmente correta

Após reunião com empresários e o governador Silval Barbosa (PMDB), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Riva (PP), voltou a defender a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá.

Nesta terça-feira (22), em entrevista por telefone ao programa Cidade Independente, da Rádio Cidade (FM 94,3), o parlamentar disse a modalidade de transporte é viável, econômica e, ambientalmente, correta.

“Além disso, haverá menos desapropriações com o VLT, já que serão utilizados os canteiros centrais das avenidas. E o sistema poderá estar pronto em um ano. Para nós, isso é imprescindível, uma vez que temos que estar com todas as obras da Copa do Mundo finalizadas até 2013”, declarou Riva.

Ontem (21), o governador Silval Barbosa, juntamente com Riva, esteve reunido com um grupo de empresários que apresentaram o pedido para fazer estudos de viabilidade econômica para implantação de VLT. Eles garantiram que os estudos serão realizados no menor espaço de tempo para apresentar ao governador.

Entre os empresários esteve também o representante da AZVI S/A, especializada em construção de ferrovias até a operação do sistema.

VLT

As discussões sobre a implantação do VLT iniciaram na década de 1990. A expectativa é atender uma demanda diária superior a 20 mil passageiros.

A modalidade de transporte é uma proposta defendida pelo deputado José Riva que, inclusive, realizou audiência pública em 2010 na Assembleia. De acordo com Riva, a proposta apresentada, à época, previa a construção de dois ramais do metrô/VLT, um no eixo Aeroporto Marechal Rondon até a região do CPA e outro interligando a região do Coxipó até a região do bairro Santa Rosa.

Atualmente, um dos grandes problemas da região Metropolitana de Cuiabá diz respeito ao tráfego de veículos. São vários pontos de gargalos e aproximadamente 215,3 mil veículos que trafegam pelas ruas de Cuiabá e Várzea Grande.

O número representa o crescimento de 20% em relação à frota de veículos registrada em 2005, pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Nenhum comentário:

Postar um comentário