sábado, 8 de dezembro de 2012

Itaipu participa em Brasília de audiência para instalação do VLT em Foz do Iguaçu

Itaipu participa em Brasília de audiência para instalação do VLT em Foz do Iguaçu

06/12/2012 - Click Foz do Iguaçu

VLT de Itaipu será parecido com o projetado para Brasília

Audiência é a última fase antes da divulgação do nome dos municípios contemplados com recursos do PAC

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, participou na manhã desta terça-feira (4), no Ministério das Cidades, em Brasília (DF), da audiência para defesa do projeto de instalação do Veículo Leve Sobre Trilho (VLT) em Foz do Iguaçu. A audiência é a última fase antes da divulgação do nome dos municípios contemplados com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades, prevista para o próximo dia 14.

O projeto do VLT, que foi elaborado com o apoio técnico da binacional, foi apresentado pelo diretor de Trânsito e Sistema Viário do município, Ali Safadi. O assessor da diretoria-geral brasileira, Herlon de Almeida, também estava presente.

Por parte do Ministério das Cidades, participaram da audiência os analistas de infraestrutura Paula Nóbrega, Gláucia Maia e Marcos Daniela, que atuam na Diretoria de Mobilidade Urbana da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O setor é o responsável por elaborar os pareceres técnicos do ministério.

A proposta levada à Brasília prevê um ramal de 12 quilômetros de VLT ligando a futura sede do campus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), em construção ao lado de Itaipu, até a Praça da Paz, no final da Avenida Juscelino Kubitscheck. O investimento estimado é de R$ 210 milhões.Na defesa do projeto, a comitiva de Foz apresentou um vídeo produzido pela equipe da Comunicação Social de Itaipu, além de dados técnicos do sistema viário, planilha de custos, mapas e estudos de demanda.

Jorge Samek destacou que a proposta de instalação do VLT tem conexão com outros projetos do governo federal para Foz do Iguaçu, como a própria Unila. A iniciativa também está alinhada com pesquisas desenvolvidas por Itaipu na área de mobilidade sustentável, entre elas, os estudos do primeiro VLT elétrico do Brasil e a nova bateria de sódio avançada.

"Deixamos muito claro para os gestores do Ministério das Cidades que do VLT vai potencializar outros projetos que Itaipu desenvolve em Foz do Iguaçu com o apoio do governo Dilma", comentou Herlon de Almeida. "O projeto também nos dará expertise em relação ao VLT, que depois poderá beneficiar outras cidades brasileiras de grande e médio portes", acrescentou.

No final da audiência, Samek convidou a equipe técnica do Ministério das Cidades para conhecer os projetos de mobilidade sustentável desenvolvidos pela binacional.

Detalhamento
A proposta em análise no Ministério das Cidades indica que o VLT passaria pelo canteiro central das avenidas JK e Tancredo Neves, com terminais intermodais instalados na Unila e na Praça da Paz, e outras 12 estações intermediárias. A demanda prevista para o sistema é de 40 mil passageiros por dia.

No custo total de R$ 210 milhões estão incluídos a aquisição dos trens, a construção dos terminais e das estações, as obras de infraestrutura para instalação dos trilhos, readequações viárias, sinalização, paisagismo, a revitalização da Avenida Tancredo Neves, o viaduto de acesso ao futuro campus da Unila e a implantação de ciclovia em todo o trecho.

No futuro, a ideia é estender o trajeto do VLT até o Parque Nacional do Iguaçu, passando pelo Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, com trajeto total de 40 quilômetros. Também há estudos para levar o sistema para outras regiões da cidade.

PAC Médias Cidades
O PAC Mobilidade Médias Cidades – lançado em agosto pela presidente Dilma Rousseff – dispõe no total de R$ 7 bilhões para municípios brasileiros com mais de 250 mil habitantes e menos de 700 mil. O objetivo é fomentar, com financiamento público, "ações estruturantes para o sistema de transporte coletivo urbano, por meio de qualificação e ampliação da infraestrutura de mobilidade urbana".

Herlon de Almeida disse que dos 75 municípios pré-habilitados para receber recursos do PAC, 71 apresentaram projetos, que totalizam R$ 13 bilhões – ou seja, quase o dobro do teto definido pelo governo federal. No Paraná, além de Foz, disputam os recursos Londrina, Maringá, Cascavel, Ponta Grossa e São José dos Pinhais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário