terça-feira, 17 de junho de 2014

Modelo de gestão do VLT e Arena serão definidos só após a Copa

12/06/2014 - Folha Max

O edital de concessão da Arena Pantanal e do Complexo Verdão - que inclui o Ginásio Aecim Tocantins, piscina e o palácio das artes - deve ser publicado após a realização da Copa do Mundo. "Precisamos ter a exata dimensão das despesas da Arena Pantanal, das possibilidades de receitas para soltar o edital que atendesse o estádio como multiuso, contemplando todos os 32 hectares do Complexo Verdão", explicou o secretário extraordinário da Copa do Mundo (Secopa), Maurício Guimarães. 

Ele não entrou em detalhes se há empresas interessadas em administrar a Arena. O estádio foi entregue para a Fifa no dia 21 de maio e deve ser entregue de volta ao controle da Secopa em julho, com o final da Copa do Mundo. 

O secretário reforçou que diferente do que se propaga, a Arena Pantanal não será um "elefante branco", embora o futebol regional não tenha o apelo junto ao público para levá-lo ao estádio. O time de maior representação no futebol de Mato Grosso é o Luverdense, que disputa a série B do Campeonato Brasileiro. 

A Arena Pantanal teria despertado interesse de grupos que gostariam de administrar o local como palco de shows e eventos.Também depois da Copa do Mundo, a Secopa deve se debruçar sobre o modelo de concessão do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). "Já temos algumas propostas e já apresentamos aos órgãos de controle. O problema é que não existe uma regulamentação no Brasil do operador do VLT, é uma carreira nova". 

Ele comentou que todos os estudos mostram que a tarifa do VLT não será muito diferente dos R$ 2,80 cobrados no transporte público. Como será compartilhado o uso do VLT com as linhas de ônibus, o preço deve se manter no patamar. "O modelo da concessão será definido este ano junto com a conclusão das obras. Esperamos que o VLT entre em operação até o primeiro semestre de 2015". 

A demora em estabelecer como será o modelo de integração entre o VLT e as linhas do transporte público em Cuiabá e Várzea Grande pode causar adiamento no edital de licitação do transporte coletivo na Capital. As atuais concessões do município com as empresas vencem neste mês. 

Para fazer um novo edital o município precisa ter em mãos quando o VLT passa a funcionar, quantas linhas serão acrescidas ou extintas. Secretário municipal de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU), Antenor Figueiredo disse apenas que a SMTU precisa se adequar ao modelo do VLT, mas não poderia dar entrevistas.

Fonte: Folha Max
Publicada em:: 12/06/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário